CPI mista da Petrobras vai ouvir Youssef no dia 29

O presidente da CPI mista informou a ausência do atual diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, que prestaria depoimento esta tarde

Brasília – Na abertura do trabalho desta tarde de quarta-feira, 22, o presidente da CPI mista da Petrobras, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), informou que o depoimento do doleiro Alberto Youssef ao colegiado será realizado na próxima quarta-feira, 29, após o segundo turno eleitoral.

Vital também informou aos presentes da ausência do atual diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, que prestaria depoimento esta tarde.

Vital leu aos presentes ofício da Petrobras recebido na manhã de segunda-feira, 20.

A estatal encaminhou um ofício para a comissão em que afirmava que Cosenza não poderia comparecer.

O gerente setorial de Relacionamento com o Poder Legislativo da Petrobras, Carlos Henrique Lopes Sampaio, informa que Cosenza “está impossibilitado” de comparecer à reunião das 14h30 por ter tido uma “intercorrência clínica” no início da noite de ontem.

Segundo o gerente da Petrobras, a intercorrência levou Cosenza a ser medicado e ficar afastado das suas atividades pelos próximos dois dias.

A estatal informa que Cosenza se coloca à disposição para remarcar o depoimento para uma outra oportunidade. A reunião desta tarde é a última antes do segundo turno das eleições.

Na documentação remetida à CPI mista, a estatal anexou ainda o atestado médico assinado pelo médico José Eduardo Couto de Castro. No atestado, o médico não descreve o que o diretor da Petrobras teve.

Cita apenas que o paciente teve “intercorrências clínicas” que determinaram o afastamento dele por 48 horas. Vital disse que ele teve uma “hipertensão arterial primária”.

Na justificação do requerimento, o líder do PPS da Câmara, Rubens Bueno (PR), menciona uma reportagem da revista Época de maio deste ano na qual cita que o ex-diretor Paulo Roberto Costa, mesmo após deixar o cargo, em abril de 2012, continuou a manter relações com a estatal por intermédio do seu sucessor.

A reportagem menciona que Costa e Consenza “despachavam sobre assuntos discutidos na cúpula da estatal”.

No momento, os parlamentares da oposição criticam a ausência de Cosenza.

“Vamos chegar ao dia da eleição da forma como o PT queria, impedindo o avanço das investigações e clareza a respeito das graves denúncias envolvendo a Petrobras”, afirmou o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE).

O líder do PSDB da Câmara, Antonio Imbassahy, disse que Cosenza era o “homem da mais estreita” confiança de Paulo Roberto Costa.

“Esse senhor (Cosenza) manteve inalteradas as decisões tomadas anteriormente”, completou.