Copa está mais bem organizada que Olimpíadas de Londres

Não se trata de pesquisa, mas da impressão de um PhD francês em estudos esportivos. O tema principal para ele, porém, não é o desempenho inglês, mas o preconceito contra países do sul

São Paulo – Já virou moda dizer que a Copa do Mundo 2014 não se revelou nem de perto o caos prometido nos preparativos, apesar dos deslizes. Jornais como The New York Times, Le Monde e The Guardian já mencionaram esta reversão de expectativas. Mas um PhD pela Universidade de Cambridge e professor de uma escola de negócios francesa (ESSCA), Dàvid Ranc, foi além e disse que a organização deste mundial é até mesmo melhor que a da reputada Olimpíadas 2012, realizada em Londres.

Em um post publicado no blog do FREE – um grupo de acadêmicos europeus que estudam futebol e sua interação com a sociedade – Ranc afirma que há um abismo entre a percepção e a realidade quando se trata de competições organizados em países no norte ou sul do planeta.

“Sempre que um evento é organizado em um país do Sul, o discurso e a memória são de potenciais fiascos, que normalmente não se materializaram. Sempre que um evento é organizado em um país do Norte, o discurso e a memória são de sucessos, mesmo quando houve fiascos de verdade”, escreveu.

O texto foi ao ar no dia 26 de junho. Há uma semana, portanto, mas já depois que o Brasil viveu alguns dos famosos desarranjos da Copa que poderiam influenciar a visão positiva do evento, tais como a invasão chilena e argentina no Maracanã e a falha na hora de tocar o hino da França no Beira-Rio, dentre outros.

Para ilustrar seu ponto de vista, o pesquisador relembra alguns dos problemas ocorridos em Londres:

– Muitas das arenas estavam praticamente vazias e foram preenchidas com homens do exército.

– As Forças Armadas tiveram que intervir depois que a empresa contratada para cuidar da segurança, G4S, não conseguiu dar conta do recado nem recrutar mão de obra suficiente.

– O caso em que o time de futebol feminino da Coreia do Norte foi mostrado com a bandeira da Coreia do Sul, o que atrasou o início do jogo, já que o time se recusou a entrar em campo.

– A pessoa invasora que participou do desfile da Índia na abertura.

Visão distorcida

O ponto, para Ranc, não é “criticar uma olimpíada relativamente bem organizada”, mas afirmar que há uma visão distorcida no discurso da mídia do norte/ocidente em relação ao sul/oriente.

Nesta Copa, é claro, inúmeros problemas já foram reportados, mas o que o professor – que já desenvolveu um estudo de caso sobre o Corinthians na Ditadura – questiona é se os cenários pintados previamente de desorganização total do Brasil estão equilibrados com a imagem de sucesso absoluto dos jogos londrinos.

Se uma é de fato mais organizada que a outra, aí é espaço completamente aberto à discussão. E, vale lembrar, provavelmente os ingleses ficarão relutantes com a opinião de um francês na discussão. 

A reputação da Inglaterra foi às alturas após 2012, a ponto de surgirem boatos de que o país poderia sediar os jogos de 2016 caso o atrasado Rio de Janeiro não desse conta de apressar o passo. Os rumores foram devidamente rechaçados por todos os envolvidos.