Conheça a ONG que ensina gestão em favelas e atraiu atenção de bilionários

Rede de impacto social, de Edu Lyra, conseguiu reunir bilionários brasileiros para investir em um novo plano de expansão para formar líderes comunitários

No Jardim Paraíso, bairro da periferia de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, casebres estão lado a lado com motéis improvisados. Os moradores convivem com traficantes de drogas e mulheres que se prostituem, revezando-se em busca de clientes nas esquinas do bairro. É nesse ambiente de pobreza que hoje são criadas pouco mais de 1.000 crianças. Sem referências e oportunidades, quando chegam à adolescência o futuro parece estar definido: para os meninos, o crime; para as meninas, a prostituição.

Foi nesse cenário que Amanda Oliveira, hoje com 30 anos, foi criada. Nascida em uma favela na zona sul de São Paulo, com 3 meses de vida sofreu um acidente doméstico com água quente que a deixou com cicatrizes no rosto e na mão esquerda. Aos 7 anos, em busca de uma vida melhor, sua família se mudou para o Jardim Paraíso — e encontrou um ambiente ainda mais hostil. Além da violência no bairro, Amanda era vítima de bullying na escola. Com 12 anos, ela começou a ter aulas de música em um instituto social, o Ielar. “Foi ali que percebi que meu lugar era no palco. Eu não precisava mais me esconder.” Eram os primeiros passos da futura líder comunitária que, anos mais tarde, em 2017, fundaria o Instituto As Valquírias, organização não governamental que atende principalmente meninas com histórico de abuso sexual, físico ou emocional.

As dificuldades em gerir e buscar financiamento para a ONG mostraram que seria preciso encontrar novas formas de manter e ampliar a oferta dos serviços. Foi nesse momento que a realidade de Amanda se cruzou com a de Jorge Paulo Lemann, um dos homens mais ricos do Brasil. Em agosto de 2018, o Instituto As Valquírias inscreveu-se em um edital da rede Gerando Falcões, organização com foco no desenvolvimento das periferias, criada pelo empreendedor social Edu Lyra e financiada por investidores, entre eles Lemann.

A ONG foi uma das seis selecionadas para receber aporte financeiro, treinamento em gestão — com base nas práticas da cervejaria Ambev — e mentoria. “O que precisamos para nossas favelas é capacitar os líderes certos para enfrentar os mais diversos fatores externos da realidade da periferia, como a presença do crime organizado, a fome extrema, a violência policial e a doméstica”, diz Lyra.

O apoio efetivo ao Instituto As Valquírias começou em fevereiro de 2019 e, em dez meses, o número de famílias atendidas saltou de 140 para 1 139, zerando a fila de espera. Nesse período, a organização qualificou 400 pessoas para diferentes funções, como cabeleireiro e atendente de telemarketing (cerca de 30 já conseguiram emprego com carteira assinada). Uma das frentes para a arrecadação de fundos vem do grupo musical As Valquírias, que se apresenta em eventos Brasil afora. Para atrair mais famílias do bairro, uma vez por semana as meninas do grupo entram na favela tocando instrumentos de percussão, como EXAME presenciou ao visitar o Jardim Paraíso.

Os desafios estabelecidos para a ONG de Amanda fazem parte das metas da Gerando Falcões. Com contrato médio de quatro anos, os convênios focam a independência financeira das instituições apoiadas, por meio de padrinhos locais, jantares beneficentes e gestão dos recursos captados. “Esse não é um recurso assistencialista, que de tempos em tempos é preciso repetir, mas consiste de fato em uma transformação da realidade de milhares de pessoas”, diz Daniel Castanho, presidente do conselho do grupo de educação Ânima. Ao lado de Lemann, ele foi um dos primeiros investidores da Gerando Falcões, que também contou com aporte inicial de Flávio Augusto, fundador da rede de escola de idiomas Wise Up, e Carlos Wizard Martins, dono das lojas Mundo Verde e da marca Pizza Hut no Brasil.

No final de novembro, um plano de expansão para 2020 foi aprovado com a chegada de novos investidores. Ao lado dos que já faziam parte, somaram recursos os empresários Elie Horn, presidente da construtora Cyrela; Rubens Menin, dono da construtora MRV; Ana Maria Diniz, presidente do Instituto Península; Marcus Sanchez, vice-presidente do laboratório EMS; Eugênio Mattar, presidente da locadora de veículos Localiza; Guilherme Benchimol, fundador da corretora XP Investimentos; e Thiago Oliveira, sócio da gestora Bossa Nova.

EXAME apurou que a nova rodada envolve dezenas de milhões de reais para garantir os próximos quatro anos de operação e a formação de 540 líderes de favelas, por meio da criação da Universidade da Liderança Social. A esses jovens serão ensinados gestão de métricas, captação de recursos, trabalho em rede, liderança, inovação social e habilidades emocionais.

Assista ao vídeo da reunião que aprovou o novo plano de expansão:

A reportagem completa sobre o plano de expansão da rede Gerando Falcões para 2020 está na edição 1200 de EXAME, disponível nas bancas, tablets e smartphones.