Congresso volta a discutir privatização da Eletrobras

ÀS SETE - Será instalada nesta terça-feira a comissão especial que discutirá a privatização da estatal, que deve render ao governo R$ 12 bilhões

Com as travas no Congresso por conta da intervenção federal no Rio de Janeiro, a agenda prioritária de projetos econômicos do governo começa a andar nesta semana.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Será instalada na terça-feira a comissão especial que discutirá a o projeto de lei de Privatização da Eletrobras, que deve render ao governo cerca de 12 bilhões de reais em receitas em 2018.

A ideia é debater as regras do aumento do capital social da Eletrobras e de suas subsidiárias para desestatizar a empresa por meio de disponibilizar mais ações no mercado, reduzindo a participação da União no quadro de sócios.

Para proteger os interesses estratégicos nacionais, as regras vão impedir que os novos acionistas possam acumular mais de 10% do capital da empresa.

O interesse na pauta não se restringe aos governistas. A bandeira de privatização será levantada por candidatos de centro-direita aos mais diversos cargos nas eleições de outubro. Um deles é o próprio presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Apesar de chamar a lista de propostas resgatadas pelo governo de “café velho e frio”, o democrata quer posição de destaque na venda da empresa pela claque do eleitorado, que, depois do aparelhamento de estatais visto na Operação Lava-Jato, passou a ver com bons olhos os programas de concessões.

Com Rodrigo Maia como grande aliado, a privatização da Eletrobras é a chance de iniciar uma retomada de junção na base aliada e dar algum legado ao governo Michel Temer (MDB). A ideia é que o trâmite na casa dure até abril, no máximo.

É necessário tramitar também no Senado, preferencialmente, antes da Copa do Mundo. Na primeira reunião, haverá eleição do presidente e dos vice-presidentes da comissão e serão escolhidos 35 deputados titulares e mais 35 suplentes.

Estão cotados como presidente Hugo Motta (MDB-PB) e como relator o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA).