Congestionamento na capital paulista é recorde no ano

Por volta das 19h, o congestionamento alcançou 261 quilômetros (km) em São Paulo, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET)

São Paulo – O protesto de motoristas e cobradores de ônibus e uma manifestação de professores municipais no centro de São Paulo provocaram hoje (20) o maior congestionamento do ano na cidade.

Por volta das 19h, o congestionamento alcançou 261 quilômetros (km) em São Paulo, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

A média para o horário costuma ficar entre 105 km e 139 km. Até então, o maior congestionamento havia sido registrado no dia 17 de abril, véspera do feriado prolongado da Páscoa: 258 km de engarrafamento, às 17h30.

Por causa dos protestos, o rodízio foi suspenso na capital paulista.

O protesto de motoristas e cobradores continua, e até o início da noite fechava 15 terminais. Por diversas vias de São Paulo há ônibus parados e estacionados, sem circulação.

Já o protesto dos professores, que teve início por volta das 14h, na Avenida Paulista, foi encerrado por volta das 19h, em frente à prefeitura municipal, no Viaduto do Chá.

A Polícia Militar não soube informar quantas pessoas participaram da passeata, mas disse que não houve registro de incidentes.

Os professores reivindicam a incorporação de um abono de 15,38% ao salário. De acordo com o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal, atualmente o bônus é pago a 16 mil dos 94 mil profissionais do setor.

Nas negociações, o sindicato defendeu a incorporação gradual do abono, mas, segundo a entidade, a proposta não foi aceita pela prefeitura.

A prefeitura respondeu que publicou no Diário Oficial da Cidade, de 4 de abril, um decreto que assegura o reajuste de 13,43% para todos os profissionais de educação da capital, ativos ou inativos.

Além dos 13,43% de aumento salarial, a secretaria informou ter encaminhado para a Câmara Municipal o reajuste de 15,38% no piso dos professores, de gestores e no quadro de apoio à educação.