Comissão de Ética abre processo contra ministro dos Transportes

Mauricio Quintella teria usado uma agência de comunicação da pasta para gerenciar suas redes sociais pessoais

Brasília – A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu, por maioria, abrir uma processo para investigar uma possível infração ética do ministro dos Transportes, Mauricio Quintella, sobre o suposto uso de uma agência de comunicação da pasta para gerenciar as redes sociais pessoais do ministro.

De acordo com o presidente da Comissão, Mauro Menezes, o ministro terá o prazo de dez dias para prestar esclarecimentos.

Menezes disse ainda que, se comprovada a conduta do ministro, o ato pode ser um processo administrativo “de gravidade”.

“Trata-se em tese de uma conduta de gravidade e a Comissão tem que apurar”, afirmou Menezes, reforçando o princípio da presunção da inocência.

O caso foi revelado pelo jornal O Globo, no último dia 23, e apontou que Quintella teria acertado pessoalmente a participação da empresa contratada com verba pública para controlar e produzir conteúdo para suas redes pessoais.

O contrato anual, de mais de R$ 6,5 milhões e renovado três vezes seguidas, não prevê qualquer gerenciamento de páginas pessoais do ministro.

À reportagem do Globo, na época, a assessoria do Ministério negou que as redes do ministro sejam controladas por outra pessoa além do próprio ministro.

O Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, enviou à assessoria do ministério um pedido de posicionamento sobre o caso e aguarda retorno.