Combate à intolerância religiosa é tema da redação do Enem

Além da redação, os estudantes fazem provas de linguagens, códigos e suas tecnologias e matemática e têm cinco horas e 30 minutos para concluir a prova

O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que divulgou o tema há pouco pela página no Twitter. Hoje (6) é o segundo dia de prova do exame e também o mais temido por muitos candidatos, justamente pela elaboração da redação.

O exame começou a ser aplicado às 13h30. Além da redação, os estudantes fazem provas de linguagens, códigos e suas tecnologias e matemática e têm cinco horas e 30 minutos para concluir a prova. Aproximadamente 8,4 milhões de estudantes devem fazer o Enem.

Alguns cuidados devem ser tomados pelo estudante hoje à tarde. As redações com sete linhas ou menos receberão nota zero. A estrutura deve ser dissertativo-argumentativa, ou seja, os candidatos devem expor argumentos relacionados ao tema da redação, elaborando-os de forma consistente e coerente.

A proposta de redação do Enem sempre vem acompanhada de textos que podem servir de motivação para que os candidatos elaborem seus próprios textos. No entanto, o estudante não deve se restringir às ideias ali apresentadas, copiar trechos ou torná-los parte de sua argumentação. Tais procedimentos podem fazer com que o candidato perca pontos na avaliação de competências. Aquele que fizer qualquer brincadeira ou deboche vai tirar zero.

As redações serão avaliadas de acordo com cinco competências: domínio da norma-padrão da língua escrita, compreensão da proposta da redação e aplicação de conceitos de diversas áreas do conhecimento para desenvolver o tema; capacidade de selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações para defender um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e elaboração de proposta de intervenção ao problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Américo Vespúcio Ribeiro de Oliveira

    Só o islã não é intolerante. Eu não sei por que aqueles 22% de cristãos que existiam no início do século XX na moderna Turquia desapareceram e só sobraram os atuais 0,2%. De vez em quando aparece um padre ou algum membro de igreja morto por degola nesta parte da Ásia Menor. Lá não tem intolerância. A intolerância existe apenas aqui no Brasil que recebe refugiados islâmicos do mundo inteiro, e muitos destes são terroristas conhecidos de braços abertos. Nos países islâmicos igrejas são queimadas, aqui mesquitas são construídas. Mas, o islã não é intolerante, intolerante são os cristãos que morrem assassinados nas mãos dos islâmicos inocentes.

  2. José Maria Fernandes Júnior

    Amigo, desculpe mas não entendi o que você quis dizer com o Islâ não é intolerante. Intolerância significa não tolerar. Então não Intolerar significa tolerar, não?