Com a derrota de Lula no STF, qual o futuro eleitoral da esquerda?

ÀS SETE - Sem uma figura de liderança, a tendência é de pulverização das candidaturas de aliados, como Ciro Gomes, Manuela D’Ávila e Guilherme Boulos

Já era madrugada desta quinta-feira quando terminou o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Supremo Tribunal Federal. Por 6 votos a 5, o pedido de liberdade foi negado pela maioria dos ministros e a sessão finalizada às 0h46.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Com o ex-presidente mais perto do que nunca da prisão, onde começaria a cumprir os 12 anos e um mês em regime fechado, chegou a hora de os partidos de esquerda olharem para o futuro.

Lula tem entre 30% e 40% das intenções de voto nas mais diferentes pesquisas de intenção de voto, em parte pela lembrança do eleitorado de seu período de governo.

O petista deixou a Presidência com mais de 80% de bom e ótimo como avaliação de seu governo. Hoje, enfrenta forte rejeição, passando dos 40%.

Sua capacidade de reunir o voto “não-petista” é questionável (ainda mais agora), mas Lula é o único líder capaz de aglutinar em uma única candidatura os partidos de centro-esquerda.

Inelegível pela Lei da Ficha Limpa e, agora, potencialmente preso, sua força de retórica e campanha enfraquecem. Sua capacidade de transferir votos a um apadrinhado também diminui consideravelmente.

Sem uma única figura de liderança, a tendência é de pulverização das candidaturas postas por partidos que seriam seus aliados, como o PDT de Ciro Gomes, o PCdoB de Manuela D’Ávila e o PSOL de Guilherme Boulos.

O ex-líder do PT na Câmara e aliado de Lula, deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), disse recentemente a EXAME que os partidos mencionados uniram suas fundações para criar programas de governo ao menos parecidos para a campanha de 2018.

Chegou a hora, segundo um grupo de parlamentares, de decidir se uma frente de esquerda é uma alternativa para substituir Lula.

Os mais radicais, que vêm dominando as decisões petistas nos últimos anos, continuam decididos a registrar a candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral e, no limite, recorrer ao Supremo. Isso alongaria a campanha presidencial de Lula pelo menos até setembro, quando só então o partido caminharia para um plano B, possivelmente Fernando Haddad.

O problema, deste cenário, é enfraquecer a esquerda a ponto de seus candidatos, hoje com quase metade das intenções somadas de votos, ficarem de fora de um segundo turno.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. mário liberato

    Que monte de lixeira, esse partidinho está jogada as traças, ainda bem que é o fim mesmo, com essas figuras nojentas e imprestáveis tem mais que acabar no fundo do poço. Faltou alguns na foto (Gleisi, Requião, Willis, Lindbherg, Dirceu, Genuino, Maria do Rosario, Okamoto,) e mais uma pá de bandidos.