Nova CPI da Petrobras tem apoio de 52 aliados do governo

O líder do DEM na Casa, Mendonça Filho, acredita que a maré negativa para o governo na Câmara favorece o clima de uma comissão constituída só de deputados

Brasília – A oposição já dá como certa a instalação nos próximos dias da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras na Câmara dos Deputados.

Após conseguir o apoio de 52 parlamentares da base governista, há quem defenda que a investigação sobre o esquema de corrupção na estatal fique só entre os deputados e não inclua os senadores em uma comissão mista.

O líder do DEM na Casa, Mendonça Filho (PE), acredita que a maré negativa para o governo na Câmara favorece o clima de uma comissão constituída só de deputados.

“A Câmara se mostrou mais disposta”, justificou o líder do DEM na Casa, Mendonça Filho (PE).

Os oposicionistas correram ontem para garantir que o requerimento fosse um dos cinco primeiros a serem protocolados e os aliados do governo foram fundamentais para garantir o encaminhamento do pedido de criação da CPI.

Não há mais prazo para a retirada de assinaturas, a menos que metade dos deputados decidam voltar atrás do apoio.

Foram recolhidas 186 assinaturas, sendo quatro rejeitadas. Das 182 válidas, 14 eram de parlamentares do PDT, 12 do PSD, 10 do PMDB, sete do PR, cinco do PP, duas do PRB, uma do PTB e uma do PROS.

Entre os que apoiaram o pedido estão o líder do PDT, André Figueiredo (CE), o candidato a líder da bancada do PMDB Danilo Forte (CE), os estreantes Clarissa Garotinho (PR-RJ) e Sérgio Reis (PRB-SP), os deputados Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Tiririca (PR-SP).

Segundo fontes, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já sinalizou que autorizará a criação da comissão.