Collor diz que foi vítima de golpe parlamentar

Candidato à reeleição ao Senado, Collor destacou que os movimentos das ruas foram todos "orquestrados"

Brasília – O senador Fernando Collor (PTB-AL) afirmou nesta quinta-feira, em seu programa eleitoral na televisão, que foi vítima de um “golpe parlamentar” que lhe tirou da Presidência da República em 1992.

Candidato à reeleição ao Senado, Collor disse que não houve um “golpe popular” para derrubá-lo e destacou que os movimentos das ruas – numa referência indireta às passeatas protagonizadas pelos caras-pintadas – foram todos “orquestrados”.

“Fui afastado da Presidência da República supondo que as acusações que me faziam à época eram verdadeiras. Sem nenhuma prova disso”, declarou.

No início da propaganda, uma locutora afirmou que a carreira política de Collor foi interrompida por “falsas acusações” e que ele foi “perseguido e cassado por políticos”.

O ex-presidente exaltou o fato de ele ter sido absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em duas ocasiões, em 1994 e em abril deste ano.

Neste último caso, o STF o absolveu por falta de provas do crime de peculato. Ele era suspeito de desviar dinheiro público de contratos de publicidade.

O programa apresenta o discurso que Collor fez na tribuna do Senado no dia 28 de abril, no qual comemorou sua última absolvição pelo Supremo. E cobrou reparações por causa do processo de impeachment a que foi submetido.

“Quem poderá me devolver tudo aquilo que eu perdi, a começar pelo meu mandato presidencial?”, questionou.

Na ocasião, em cena exibida na propaganda, senadores do PT se solidarizaram com o ex-presidente por conta do resultado do julgamento.

Ao final, a locutora pediu aos adversários de Collor para não usar de “baixarias”. “Collor é ficha limpa. O guerreiro resistiu e venceu”, concluiu.

//www.youtube.com/embed/ngXLtXLaud8