Coca e Pepsi ignoram roubo de terras no Brasil, diz Oxfam

Segundo a ONG, as empresas que mais compram açúcar não impendem que pequenos agricultores tenham as terras roubadas para aumentar o cultivo de cana

Londres – As empresas que mais compram açúcar, como Coca-Cola e PepsiCola, ignoram os roubos de terras de pequenos lavradores por parte de grandes plantadores de cana, denuncia nesta quarta-feira a Oxfam.

A ONG internacional divulgou em Londres o relatório “Não há nada de doce nisto: como o açúcar alimenta o roubo de terras”, que conclui que “os grandes nomes da indústria de alimentos e bebidas não faz o suficiente para impedir que gente pobre tenha suas terras e casas roubadas para aumentar o cultivo” de cana-de-açúcar.

Oxfam cita casos de terras roubadas nos estados de Pernambuco e Mato Grosso do Sul.

Em Pernambuco, a Oxfam denuncia que 53 famílias que viviam nas ilhas do estuário de Sirinhaem foram expulsas em 2002, “após décadas de pressão intermitente da Usina Trapiche, uma empresa que fornece açúcar à Coca-Cola e à PepsiCola”.

“Todos precisam assegurar que o que consumimos não contribui para que os mais vulneráveis sejam retirados de suas terras sem consentimento e sem indenização. As grandes corporações devem garantir que seus produtos não estejam manchados por estes escândalos que ocorrem em lugares remotos…”, disse o diretor-executivo da Oxfam, Mark Goldring.

“Associated British Foods, Coca-Cola e PepsiCola estão entre os maiores compradores e produtores de açúcar e têm uma posição privilegiada para acabar com as apropriações de terra garantindo que o açúcar que utilizam não vêm de terras adquiridas contra a vontade da comunidade”.

Segundo dados proporcionados pela Oxfam, a produção de açúcar cresceu 25% em 2020. Em 2012, foram produzidas 176 milhões de toneladas de açúcar, com a metade sendo destinada à indústria de comidas e bebidas.