Cidades do interior de SP apoiam transposição do Paraíba

Os níveis do Cantareira chegaram nesta sexta-feira, 21, a 14,5% de sua capacidade - pior nível desde que ele foi criado, em 1974

Campinas – Representantes de municípios e empresas do interior paulista abastecidos pelo Sistema Cantareira estão reunidos nesta sexta-feira, 21, em Valinhos para discutir a atual crise hídrica do estado e apresentar as medidas locais para contingenciar água.

Os níveis do Cantareira chegaram nesta sexta-feira, 21, a 14,5% de sua capacidade – pior nível desde que ele foi criado, em 1974.

O presidente do Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), o prefeito de Indaiatuba, Reinaldo Nogueira, abriu o encontro e defendeu o adiamento da renovação da outorga que permite a Sabesp explorar o sistema.

Ela vence em agosto deste ano e União e Estado já discutem adiar para 2015 o processo.

Os representantes do consórcio, entidade que representa municípios e empresas usuárias da água do PCJ, também vão apoiar a transposição da represa Jaguari, em Igaratá, que pertence à bacia do rio Paraíba do Sul, para socorrer o Cantareira.

A proposta foi apresentada essa semana pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e provocou a reação de governo e entidades do Rio de Janeiro – que usa a água do Paraíba.

A proposta inclusive foi um dos itens que constou no documento “Mandamentos da Estiagem”, com 25 medidas a serem discutidas e implantadas para evitar o esvaziamento dos reservatórios do Cantareira, que foi aprovado em 7 de fevereiro.

O item 23 da carta diz “Estudo de viabilidade para transposição de bacias, em regimes de emergência, como por exemplo através dos reservatórios de Igaratá e Paraibuna”. A 72ª reunião plenária do Consórcio do PCJ começou por volta das 9h.