Cardozo vê fortes indícios de corrupção na Petrobras

O ministro da Justiça disse que a tarefa é "apurar, punir e afastar da empresa" os envolvidos no escândalo

Brasília – O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admitiu nesta terça-feira, 9, que há “fortes indícios” de corrupção na Petrobras, o que “acaba atingindo a empresa”.

A tarefa, portanto, é “apurar, punir e afastar da empresa” quem está envolvido nos escândalos de corrupção, para fazer a estatal “seguir seu rumo”.

Após conferência do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sugerindo eventual substituição de dirigentes e apontando “gestão desastrosa” na Petrobras, Cardozo disse que a atual direção da empresa tem “colaborado imensamente para que tudo seja desvendado”.

“A Petrobras tem feito as mudanças que se colocam como necessárias para sua melhoria de governança e também para o combate à corrupção. A conduta que a empresa toma hoje é a conduta saudável que deve ser tomada por uma empresa que se vê diante de problemas de corrupção”, afirmou o ministro.

Ele classificou a fala de Janot, que defendeu punição de corruptos e corruptores, como uma “posição institucional saudável”.

“Todos os brasileiros querem o combate à corrupção e assim será feito”, completou Cardozo, sem mais avaliações sobre as afirmações do PGR.

Ele evitou classificar o cenário como “desastroso” ou concordar com Janot no sentido de que o País está “envergonhado” dos escândalos envolvendo a estatal.

“Onde houver a corrupção, temos que ter vergonha dela. É claro que o combate à corrupção tem que ser sem tréguas, doa a quem doer, e essa determinação do governo é firme e irretocável”, afirmou Cardozo.

Para o ministro, a Petrobras é “orgulho dos brasileiros” e o governo quer que tudo seja “colocado em pratos limpos”.