Brasileiro prefere usar dinheiro vivo para pagamentos

Pesquisa feita pelo Banco Central também mostrou que mais da metade dos brasileiros recebe o salário em dinheiro vivo

Brasília – A forma de pagamento mais usada pelo brasileiro continua sendo o dinheiro vivo, em que pese as facilidades do uso dos cartões de crédito e de débito. Pesquisa divulgada hoje (28) pelo Banco Central (BC), relativa a 2010, mostra que, dentre todas as formas de pagamento usadas no Brasil, cédulas e moedas respondem por 72%. Além disso, 55% dos trabalhadores ainda recebem salários em dinheiro vivo.

Os dados constam da pesquisa O Brasileiro e sua Relação com o Dinheiro, que verificou crescimento expressivo do percentual de brasileiros que abriram contas bancárias nos últimos anos, em função das campanhas de inclusão bancária e do aumento da renda e do emprego. Em 2007, só 39% da população tinha conta-corrente em banco. No ano passado, o índice aumentou para 51%.

A pesquisa do BC não cita números, mas constatou que houve “considerável crescimento” no uso do cartão de crédito e de débito nos três anos em análise. Principalmente no pagamento de contas e nas compras em supermercados, com destaque para eletrodomésticos, roupas e calçados. De acordo com o BC, o valor médio das despesas mensais por pessoa cresceu 40% entre 2007 e 2010, situando-se em R$ 808.

A pesquisa revela ainda que as campanhas feitas pelo BC sobre uso e conservação do dinheiro têm sido importantes para a população identificar os elementos de segurança das cédulas. Para 87% dos entrevistados, a campanha ajuda as pessoas a se proteger das falsificações.

A quantidade de pessoas que verificam se a nota é verdadeira cresceu de 51%, em 2007, para 61%, em 2010. A pesquisa demonstra também que, quanto mais alto o valor da cédula, maior a preocupação se o dinheiro é verdadeiro ou falso. Entre os elementos de segurança, a marca d’água é o mais verificado, segundo 41% dos entrevistados, seguido pelo fio de segurança (37%) e pela textura (25%).