Brasil cai 12 posições em ranking mundial de proficiência em inglês

Ranking da EF Education First mostra Brasil ainda no grupo dos países com baixa proficiência em inglês

São Paulo – Estudo divulgado hoje (30) pela EF Education First, empresa de educação internacional, mostrou que o Brasil piorou em um ranking mundial que mede a proficiência em inglês em 88 países. Em 2018, o país caiu 12 posições em relação ao último estudo, passando da 41ª para a 53ª posição.

Com a pontuação de 50,93, o Brasil segue no ranking como um país com nível de inglês “baixo” e aparece atrás de países como Geórgia, Albânia, China e Líbano. No topo do ranking, de países com proficiência “muito alta”, estão Suécia, Holanda, Singapura e Noruega – países conhecidos pelo excelente sistema educacional.

Entre as 12 posições que o país perdeu, acabou ultrapassado por vizinhos como Uruguai e Chile e países como Paquistão e Ucrânia.

O ranking EPI da EF Education First foi criado em 2011 e se baseia no teste padrão de inglês feito por 1,3 milhão de adultos ao redor do globo. O teste divide os países em cinco categorias, “muito alta”, “alta”, “moderada”, “baixa” e “muito baixa”. O Brasil sempre esteve na posição “baixa” ou “muito baixa”.

Entre os vizinhos da América Latina, o Brasil ficou perto da média dos 17 países, de 50,33, mas não é o melhor da lista. A Argentina aparece no grupo da proficiência “alta”, enquanto Uruguai aparece no grupo da proficiência “moderada” e o Chile no mesmo grupo que o Brasil, de proficiência “baixa”, mas à sua frente pela maior nota. O pior no ranking é a Venezuela.

Ranking de proficiência em inglês: Brasil aparece em grupo com baixo índice Ranking de proficiência em inglês: Brasil aparece em grupo com baixo índice

Ranking de proficiência em inglês: Brasil aparece em grupo com baixo índice (EPI/EF/Reprodução)

Confira o ranking completo do EPI 2018:

Países com proficiência “muito alta”

1º) Suécia (70,72)

2º) Holanda (70,31)

3º) Singapura (68,63)

4º) Noruega (68,38)

5º) Dinamarca (67,34)

6º) África do Sul (66,52)

7º) Luxemburgo (66,33)

8º) Finlândia (65,86)

9º) Eslovênia (64,84)

10º) Alemanha (63,74)

11º) Bélgica (63,52)

12º) Áustria (63,13)

Países com proficiência “alta”

13º) Polônia (62,45)

14º) Filipinas (61,84)

15º) Suíça (61,77)

16º) Romênia (60,31)

17º) Croácia (60,16)

18º) Sérvia (60,02)

19º) Portugal (60,02)

20º) República Tcheca (59,99)

21º) Hungria (59,51)

22º) Malásia (59,32)

23º) Grécia (58,49)

24º) Eslováquia (58,11)

25º) Bulgária (57,95)

26º) Lituânia (57,81)

27º) Argentina (57,58)

Países com proficiência “moderada”

28º) Índia (57,13)

29º) Nigéria (56,72)

30º) Hong Kong, China (56,38)

31º) Coreia do Sul (56,27)

32º) Espanha (55,85)

33º) Líbano (55,79)

34º) Itália (55,77)

35º) França (55,49)

36º) Costa Rica (55,01)

37º) República Dominicana (54,97)

38º) Bielorrússia (53,53)

39º) Senegal (53,50)

40º) Uruguai (53,41)

41º) Vietnã (53,12)

42º) Rússia (52,96)

43º) Ucrânia (52,86)

44º) Macau, China (52,57)

Países com proficiência “baixa”

45º) Geórgia (52,28)

46º) Chile (52,01)

47º) China (51,94)

48º) Taiwan, China (51,88)

49º) Japão (51,80)

50º) Paquistão (51,66)

51º) Indonésia (51,58)

52º) Albânia (51,49)

53º) Brasil (50,93)

54º) Etiópia (50,79)

55º) Guatemala (50,63)

56º) Panamá (49,98)

57º) México (49,76)

58º) Sri Lanka (49,39)

59º) Peru (49,32)

60º) Colômbia (48,90)

61º) Bolívia (48,87)

62º) Egito (48,76)

63º) Bangladesh (48,72)

64º) Tailândia (48,54)

65º) Equador (48,52)

Países com proficiência “muito baixa”

66º) Irã (48,29)

67º) Marrocos (48,10)

68º) Tunísia (47,85)

69º) Honduras (47,80)

70º) El Salvador (47,42)

71º) Emirados Árabes Unidos (47,27)

72º) Nicarágua (47,26)

73º) Turquia (47,17)

74º) Jordânia (47,10)

75º) Venezuela (46,61)

76º) Síria (46,37)

77º) Azerbaijão (45,85)

78º) Kuwait (45,44)

79º) Omã (45,56)

80º) Cazaquistão (45,19)

81º) Argélia (44,50)

82º) Myanmar (44,23)

83º) Arábia Saudita (43,65)

84º) Afeganistão (43,64)

85º) Camboja (42,86)

86º) Uzbequistão (42,53)

87º) Iraque (40,82)

88º) Líbia (39,64)