Brasil analisa pedidos de regularização de imigrantes haitianos

Governo estuda conceder visto para os imigrantes; fluxo se mantém alto para o Brasil

Rio de Janeiro – Cerca de 1,6 mil haitianos receberam vistos para viver e trabalhar no Brasil em 2011 e, atualmente, as autoridades analisam o pedido de outros 2 mil cidadãos dessa empobrecida nação caribenha, segundo dados do Ministério da Justiça divulgados nesta sexta-feira pela Agência Brasil.

Essa medida foi anunciada depois que o fluxo de imigrantes haitianos ilegais aumentasse significativamente nos últimos dias com os rumores, já negados pelo governo, de que o Brasil poderia fechar as portas aos caribenhos neste ano.

Segundo fontes oficiais consultadas pela Agência Efe, nos últimos três dias, 500 imigrantes haitianos ilegais chegaram à cidade de Brasiléia, na fronteira com a Bolívia. Os imigrantes recém-chegados se juntarão com outros 700 haitianos que vivem em alojamentos improvisados nesta região amazônica, que conta com cerca de 20 mil habitantes.

Uma situação similar também foi registrada em Tabatinga, região brasileira situada entre a fronteira com o Peru e da Colômbia. Nos últimos cinco dias, aproximadamente 208 imigrantes haitianos chegaram neste município, que já conta com 1.041 pessoas na mesma situação, ou seja, a espera de uma possível regularização.

Desde o terremoto que castigou o Haiti, a nação mais pobre da América, no início de 2010, o Ministério da Justiça calcula que cerca de 4 mil haitianos chegaram ao Brasil em busca de melhores condições de vida.

O governo brasileiro, por sua vez, tem concedido um visto de residência ‘humanitária’ para esses imigrantes. Com estes documentos, os haitianos podem viver e trabalhar no país sem ser considerados exilados ou refugiados políticos.


Os imigrantes já regularizados podem ser contratados por empresas situadas na Amazônia e por outras companhias com falta de mão de obra. Apesar da crise econômica mundial, o crescimento da economia brasileira permite que o país absorva esses imigrantes ilegais.

A maioria dos haitianos chega ao Brasil através de redes de tráfico de pessoas. Além de serem explorados por essas redes ilegais, os imigrantes ilegais haitianos também são vítimas de diferentes delitos em seu trajeto até Brasil, incluindo abusos sexuais.

Em comunicado, o Ministério da Justiça informou que oferecerá ajuda a Brasiléia e a Tabatinga para atender os haitianos que estão vivendo nessas regiões amazônicas, isso até que a situação desses imigrantes seja regularizada.

Isso porque, os dois municípios carecem de recursos para seguir alojando e alimentando esse elevado número de imigrantes, muitos dos quais já passaram a viver nas praças municipais como mendigos.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado do Acre, Nilson Mourão, afirmou nesta sexta-feira que aproximadamente 40 haitianos de Brasiléia serão enviados para outras regiões diariamente a partir da próxima segunda-feira, isso após um acordo com o governo para agilizar a regulamentação de todos os documentos necessários, como vacinação e a concessão de autorizações para o trabalho.

Segundo Mourão, a maioria desses imigrantes será enviada ao estado de Rondônia para trabalhar na construção de duas hidroelétricas. ‘Recebi a informação que uma grande empresa brasileira está interessada em mão de obra dos haitianos e virá ao Acre para contratar entre 200 e 250 trabalhadores’, afirmou o secretário em declarações à Agência Brasil.