Bolsonaro diz que recebeu convite de vários partidos para deixar PSL

Bolsonaro não comentou a crise interna do PSL e disse que a reunião com Gilberto Kassab, presidente do PSD, se tratou apenas de uma visita de cortesia

Rio de Janeiro – O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que recebeu convites de vários partidos caso decida deixar o PSL, que atravessa uma crise interna entre dois grupos opostos, um ligado a Bolsonaro e outro ao presidente da sigla, o deputado federal Luciano Bivar (PE).

Perguntado por jornalistas na saída do Palácio da Alvorada quantos partidos tinham feito convites, Bolsonaro disse que recebeu “vários convites”. O presidente não citou nenhuma legenda especificamente na entrevista, que foi transmitida ao vivo no YouTube no canal de um apoiador de Bolsonaro.

O presidente afirmou que já recebeu vários convites de partidos para sair do PSL. “Tô meio bonito, né. Então tem vários convites”, disse. Questionado se algum partido de esquerda o convidou, Bolsonaro ironizou: “tá chamando a esquerda de maluca ou eu de maluco?”.

Sobre reunião que teve com o ex-ministro Gilberto Kassab, que é presidente nacional do PSD, Bolsonaro disse que se tratou apenas de uma visita de cortesia.

O presidente também voltou a se negar a responder sobre a crise interna no PSL, dizendo que só fala sobre o assunto internamente.

Na quinta-feira, Bolsonaro decidiu tirar a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) da liderança do governo no Congresso, após o envolvimento da parlamentar na polêmica disputa sobre a liderança do PSL na Câmara, e substituí-la pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

A mudança ocorreu depois de Joice ter assinado tanto uma lista para manter o deputado Delegado Waldir (GO), ligado a Bivar, como líder do partido na Câmara, como outra para derrubá-lo e substituí-lo por Eduardo Bolsonaro (SP), que é filho do presidente. No fim, a Secretaria-Geral da Mesa da Câmara comunicou que Waldir segue como líder do PSL na Casa.

Bolsonaro teria se envolvido diretamente na disputa pela liderança do PSL para tentar emplacar o filho, de acordo com falas atribuídas ao presidente com parlamentares.

A disputa pela liderança do PSL na Câmara ocorre em meio a uma guerra aberta na legenda entre Bolsonaro e Bivar.

A crise teve início a partir de denúncias sobre irregularidades em campanhas do PSL, mas escalou na semana passada a um outro patamar quando Bolsonaro sugeriu a um simpatizante que esquecesse a sigla. Também afirmou que o presidente da legenda estava “queimado”.

Indicação de Eduardo Bolsonaro

Bolsonaro disse que não há alteração sobre a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao cargo de Embaixador do Brasil nos Estados Unidos. “Por enquanto, sem alteração”, disse o presidente.

A atuação de Bolsonaro para colocar Eduardo na liderança do PSL na Câmara deixou em suspenso a possibilidade de o deputado assumir a embaixada.

O presidente indicou o filho para o cargo há três meses, mas até agora a intenção não foi formalizada. Para ser confirmado embaixador, Eduardo precisa ser sabatinado e aprovado pelo Senado. Como não há segurança no Planalto sobre o apoio ao nome entre os senadores, o cargo na Câmara seria uma “saída honrosa”, segundo auxiliares de Bolsonaro.