Bolsonaro diz que não tinha motivo para matar ninguém e ataca Witzel

Reportagem do Jornal Nacional desta terça ligou o nome do presidente ao assassinato da vereadora Marielle Franco

São Paulo — O presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta terça-feira, 29, em transmissão ao vivo pelo Facebook, que não deve nada a ninguém e que “não tinha motivo nenhum para matar quem quer que seja no Rio de Janeiro”. Bolsonaro usou a live para responder à reportagem do Jornal Nacional, da Rede Globo, veiculada pouco antes, que afirmou que um suspeito da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) visitou o condomínio onde ele mora no Rio no dia do crime. “Nós vamos resistir, a verdade está ao meu lado”, afirmou o presidente.

Ainda na live, realizada em Riad, na Arábia Saudita, onde está em viagem oficial, Bolsonaro atacou o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC). O presidente acusou o antigo aliado de ter vazado o inquérito sobre Marielle, que “está em segredo de Justiça”. Bolsonaro acusou o governador do Rio de querer “destruir” a sua família para “chegar à Presidência da República”. “Por que essa sede pelo poder, senhor governador Witzel?”, questionou.

Durante toda a transmissão, realizada durante a madrugada saudita, Bolsonaro mostrou-se bastante irritado, falou em tom exaltado e conteve o choro ao menos uma vez. Ele disse estar à disposição para falar com a polícia na investigação sobre a morte de Marielle. “Eu gostaria muito de falar neste processo, conversar com esse delegado”, disse. Bolsonaro afirmou que, “pelo que tudo indica”, o processo sobre a morte de Marielle está “bichado” e pediu ao Conselho Nacional do Ministério Público que “supervisione o processo”.

Bolsonaro disse que estava na Câmara no dia em que o suspeito foi ao condomínio, informação também divulgada pela reportagem do Jornal Nacional.

O presidente também relatou que seus filhos estão sofrendo por causa de investigações. “Vocês não têm como me pegar e ficam inventando patifaria”, reagiu, enfático. “Eu seguro a onda, tenho uma tremenda responsabilidade”, disse. Bolsonaro declarou que trabalha para o bem do País: “Se o Brasil der errado, todo mundo vai para o espaço”.

Na live, o presidente disse também que quer saber quem mandou matá-lo, em referência à facada da qual foi vítima durante a campanha presidencial, em Juiz de Fora (MG). O autor do atentado Adélio Bispo, foi declarado inimputável pela Justiça.

PSL

Ao citar a crise no PSL, Bolsonaro pediu ao partido “transparência”. “Porque vai dar problema nas contas do partido e, se eu não tivesse tomado providência, eu ia pagar o pato”, declarou, sobre o pedido de auditoria que fez.

Globo

Durante a transmissão, Bolsonaro afirmou que não irá “perseguir” a Rede Globo no processo de renovação da concessão da TV, em 2022. No entanto, disse que o processo tem de “estar limpo”. “Se não estiver limpo, legal, não tem renovação da concessão de vocês (Globo) e de TV nenhuma”, disse.

Um pouco depois do fim da transmissão, Bolsonaro reiterou as declarações em entrevista ao Jornal da Record, da RecordTV.

Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), negou na madrugada desta quarta-feira, 30, que tenha interferido nas investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) ou vazado detalhes do inquérito à imprensa. Em comunicado publicado no Twitter, em resposta ao presidente Jair Bolsonaro, Witzel afirmou que em seu governo, “as instituições funcionam plenamente e o respeito à lei rege todas as nossas ações”. Witzel disse que a manifestação de Bolsonaro, em live, mais cedo foi “intempestiva”.

“Defenderei equilíbrio e bom senso nas relações pessoais e institucionais”, declarou o governador.

Leia abaixo o comunicado de Witzel na íntegra:

“Lamento profundamente a manifestação intempestiva do presidente Jair Bolsonaro. Ressalto que jamais houve qualquer tipo de interferência política nas investigações conduzidas pelo Ministério Público e a cargo da Polícia Civil. Em meu governo as instituições funcionam plenamente e o respeito à lei rege todas as nossas ações. Não transitamos no terreno da ilegalidade, não compactuo com vazamentos à imprensa. Não farei como fizeram comigo, prejulgar e condenar sem provas. Hoje, fui atacado injustamente. Ainda assim, defenderei, como fiz durante os anos em que exerci a Magistratura, o equilíbrio e o bom senso nas relações pessoais e institucionais. Fui eleito sob a bandeira da ética, da moralidade e do combate à corrupção. E deste caminho jamais me afastarei.”

E a íntegra da resposta da Globo:

“A Globo não fez patifaria nem canalhice. Fez, como sempre, jornalismo com seriedade e responsabilidade. Revelou a existência do depoimento do porteiro e das afirmações que ele fez. Mas ressaltou, com ênfase e por apuração própria, que as informações do porteiro se chocavam com um fato: a presença do então deputado Jair Bolsonaro em Brasília, naquele dia, com dois registros na lista de presença em votações.

O depoimento do porteiro, com ou sem contradição, é importante, porque diz respeito a um fato que ocorreu com um dos principais acusados, no dia do crime. Além disso, a mera citação do nome do presidente leva o Supremo Tribunal Federal a analisar a situação.

A Globo lamenta que o presidente revele não conhecer a missão do jornalismo de qualidade e use termos injustos para insultar aqueles que não fazem outra coisa senão informar com precisão o público brasileiro. Sobre a afirmação de que, em 2022, não perseguirá a Globo, mas só renovará a sua concessão se o processo estiver, nas palavras dele, enxuto, a Globo afirma que não poderia esperar dele outra atitude. Há 54 anos, a emissora jamais deixou de cumprir as suas obrigações.”