Bolsonaro diz que decisão de homofobia é errada e pode prejudicar gays

O presidente afirmou que, se tivesse um ministro evangélico no Supremo, ele poderia pedir vista do processo e "sentar em cima dele"

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro classificou nesta sexta-feira como “completamente equivocada” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) da véspera de enquadrar o crime de homofobia como racismo e avaliou que, se a corte tivesse ministros evangélicos em sua composição, iniciativas como essa não prosperariam.

“A decisão do plenário está completamente equivocada”, disse o presidente em café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

Segundo o presidente, o Supremo está legislando no caso e agora a “bola está com o Congresso”. Bolsonaro disse acreditar que vai haver uma reação.

Para Bolsonaro, além de estar legislando, a decisão do STF acaba por criar dificuldades adicionais a homossexuais. Ele disse que, por exemplo, um empregador pode ficar com receio de contratar um homossexual sob o temor de posteriormente ser processado pelo funcionário por racismo.

O presidente afirmou que, se tivesse um ministro evangélico no Supremo, ele poderia pedir vista do processo e “sentar em cima dele” — o que, na prática, adiaria o julgamento da causa. Para ele, tem de haver um equilíbrio na corte.

“Não é mistura de política com Justiça e religião”, disse. “Não custa nada ter alguém lá (com o perfil evangélico)”, completou.

O Supremo Tribunal Federal decidiu na quinta-feira que o Congresso Nacional se omitiu ao não criminalizar a homofobia e decidiu enquadrá-la na lei que criminaliza o racismo até que o Legislativo crie legislação específica para o tema.

Histórico

Bolsonaro já disse em entrevistas que é “homofóbico, com muito orgulho” e que preferia ter um filho morto a um filho homossexual, entre outras declarações homofóbicas recorrentes em sua trajetória política.

No final de abril, ele disse, também em café da manhã com jornalistas, que em novembro de 2009, começou a “tomar pancada do mundo todo” ao acusar o kit gay.

“Eu comecei a assumir essa pauta conservadora. Essa imagem de homofóbico ficou lá fora”, disse, afirmando que isso não prejudica investimentos. “O Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias”, disse.