Bolsonaro: coleta de assinaturas para Aliança provavelmente será manual

Presidente admitiu que será "muito difícil" fazer a coleta a tempo de participar das eleições municipais

Brasília — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (18), que o mais provável é que a coleta de assinaturas necessária para a criação do seu partido, o Aliança pelo Brasil, será feita manualmente, e não de maneira digital, como era a intenção inicial.

Bolsonaro acrescentou que se a coleta de fato ocorrer “pelo braço” será difícil entregar as assinaturas até o prazo necessário para disputar as eleições municipais de 2020.

“A gente vai ter que, pelo jeito, recolher assinatura no braço. Se for pelo braço, vai ser difícil fazer para março o partido. Muito difícil”, afirmou Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado por um apoiador sobre o partido.

O Aliança pelo Brasil anunciou, no último domingo no Twitter, que começará nesta semana a coleta de assinaturas para sua fundação. O desafio é justamente o prazo curto no calendário: a sigla precisa de todas as assinaturas até 4 de abril do ano que vem para ter o registro homologado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e assim lançar candidatos aos cargos de prefeito e vereador.

Como o GLOBO mostrou nesta quarta-feira, religiosos de distintas denominações estão dispostos a apoiar o processo de formalização da nova sigla. Segundo informou a colunista Bela Megale, os bolsonaristas apostam também no apoio dos militares e igrejas para a coleta das assinaturas.