Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Bolsas asiáticas sobem; Ajuda do Fed a nove países; estados pedem repasse de R$ 14 bi

Bolsas asiáticas sobem

As bolsas na Ásia tiveram alta na madrugada desta sexta-feira, 20, após dias seguidos de baixa em meio ao cenário de disseminação do coronavírus e potencial recessão global. Os mercados foram estimulados por uma série de notícias positivas na quinta-feira, como a descoberta de um potencial remédio contra o coronavírus, a ajuda de até 60 bilhões de dólares oferecida pelo Federal Reserve (Fed) a nove países e um potencial acordo entre Rússia e Opep sobre preços do petróleo. Os índices chineses de Xangai e Shenzhen subiram 1,61% e 1,3%, respectivamente. A bolsa de Hong Kong subiu 5,05%, e, na Austrália, a bolsa local subiu 0,7%. Dos principais mercados asiáticos, somente o índice japonês Nikkei registrou baixa, de 1,04%, em meio a temores de que a economia do Japão, em desaceleração já antes do coronavírus, não se recupere. Na Europa, o Stoxx 600 começou o dia em alta e subia mais de 4% às 7 horas.

Fed anuncia ajuda a 9 países

O Fed, banco central dos Estados Unidos, anunciou nesta quinta-feira que bancos centrais em nove países receberão acesso a dólares na expectativa de impedir que a epidemia de coronavírus cause uma crise econômica global, prevendo até 60 bilhões de dólares para o Brasil. O Fed disse que os swaps, em que o banco central norte-americano aceita outras moedas como garantia em troca de dólares, permitirão pelo menos pelos próximos seis meses que os bancos centrais de Austrália, Brasil, Coreia do Sul, México, Cingapura, Suécia, Dinamarca, Noruega e Nova Zelândia acessem um total combinado de até 450 bilhões de dólares, dinheiro que vai garantir que o sistema financeiro dependente de dólares continue a funcionar. As novas linhas de swap “como aquelas já estabelecidas entre o Federal Reserve e outros bancos centrais têm o objetivo de ajudar a reduzir os apertos nos mercados globais de financiamento em dólares, mitigando portanto os efeitos desses apertos na oferta de crédito a famílias e empresas, tanto interna quanto externamente”, disse o Fed em comunicado.

Trump anuncia remédio para coronavírus

Em pronunciamento nesta quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que o país descobriu que a droga hidroxicloroquina pode ter bons resultados contra o coronavírus e poderá ser em breve aprovada pelo FDA (Food  and Drugs Administration), espécie de Anvisa do país. Na mesma conferência, um dos membros da FDA, Stephen Hahn, disse que o uso da droga ainda está em testes para descobrir como ela funciona e em que dose deve ser utilizada contra o coronavírus. A droga já é usada no tratamento de malária e também vem sendo experimentada contra o novo coronavírus na França. Durante a coletiva, Trump anunciou que qualquer cidadão poderá comprar o medicamento, desde que tenham prescrição médica. A hidroxicloroquina também poderá ser distribuída em consultas e hospitais.

Brasil tem 621 casos de coronavírus

O Ministério da Saúde atualizou, nesta quinta-feira, 19, para 621 o número de infectados pelo coronavírus (Covid-19) no Brasil. No novo balanço, também subiu o número de estados com transmissão comunitária, quando não há a possibilidade de saber a origem da contaminação. Segundo a pasta, já são seis regiões com essa modalidade de contágio: São Paulo (estado), Rio de Janeiro (capital), Santa Catarina (sul do estado), Rio Grande do Sul (capital), Minas Gerais (capital) e Pernambuco (estado). O total de mortos chegou a sete, com óbitos nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro — este último não havia registrado óbitos até então. Todas as vítimas tinham mais de 60 anos e se enquadravam no chamado grupo de risco. Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, os números mostram que o crescimento não está ocorrendo de forma localizada, mas no conjunto do país. “Nós estamos no pé da montanha e agora vamos começar a subir”, disse.

Fechamento de fronteiras brasileiras

O governo federal vai fechar as fronteiras terrestres com a Argentina, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Peru e Suriname diante do avanço do surto de coronavírus. A fronteira com a Venezuela já está fechada. A medida foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União. A portaria foi assinada por Sergio Moro, ministro da Justiça, Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, e Braga Netto, da Casa Civil. “Fica restringida, pelo prazo de quinze dias, contado da data de publicação desta Portaria, a entrada no País, por rodovias ou meios terrestres, de estrangeiros oriundos dos países mencionados”, diz o documento. Em caso de descumprimento da medida haverá punição civil, administrativa ou penal, a deportação imediata e a inabilitação de pedido de refúgio do agente infrator.

Estados pedem repasse de R$ 14 bi

Governos estaduais calculam uma perda mensal de 14 bilhões de reais em receitas devido à desaceleração da economia com o avanço do novo coronavírus no País e pedem à União uma ajuda nesse montante. A solicitação da liberação emergencial para viabilizar a “travessia da crise” foi feita em ofício assinado por todos os secretários estaduais de Fazenda ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Nesta quinta-feira, em entrevista à rádio CBN, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, sinalizou que haverá recursos para ações de saúde em Estados e municípios. “Devemos garantir que qualquer município ou Estado terá recurso, independentemente da sua situação fiscal. Podemos fazer transferência fundo a fundo”, disse Mansueto. “O que for necessário estará disponível, via Ministério da Saúde, para Estados e municípios”, acrescentou.