BNDES e Reino Unido vão cooperar na área de finanças verdes

Expectativa é que fundo de investimento financie projetos com 80 milhões de euros (em torno de R$ 407,5 milhões) entre 2018 e 2022

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o governo britânico assinaram nesta sexta-feira, 26, no Rio de Janeiro, acordo de cooperação em finanças verdes, no âmbito do Prosperity Fund, ou Fundo da Prosperidade, criado pelo governo do Reino Unido para promover o desenvolvimento social e econômico de países parceiros, como o Brasil.

O Prosperity Fund tem patrimônio estimado de 1,2 bilhão de euros, ou cerca de R$ 6,1 bilhões. A expectativa é investir no Brasil até 80 milhões de euros (em torno de R$ 407,5 milhões) entre 2018 e 2022.

O embaixador do Reino Unido no Brasil, Vijay Rangarajan, disse que os investimentos de impacto que são percebidos no mundo todo demonstram como os investidores estão considerando atualmente fatores ambientais, sociais e de governança em suas decisões. Segundo Rangarajan, o Reino Unido se esforça para que o mercado privado aloque recursos nessas áreas.

“Iremos trabalhar em conjunto com o Brasil para fortalecer o mercado de finanças verdes e facilitar transações e investimentos de investidores institucionais de ambos os países. Estamos desenvolvendo um trabalho com o BNDES para apoiar a integração de elementos socioambientais em processos de investimento e políticas internas e engajar investidores institucionais no financiamento de infraestrutura sustentável no país”, disse o embaixador.

De acordo com o embaixador do Reino Unido, o foco do programa no Brasil são as áreas de finanças verdes, comércio, energia, cidades inteligentes (mobilidade urbana e água), saúde e educação.

O presidente do BNDES, Joaquim Levy, acredita que a parceria contribuirá para a instituição fortalecer sua governança socioambiental.

Em 2017, durante visita ao Brasil do ministro da Fazenda do Reino Unido, Phillip Hammond, foi lançada a Parceria Brasil-Reino Unido em Finanças Verdes, compromisso cujo objetivo era promover o crescimento econômico sustentável de ambos os países. O BNDES destaca na parceria bilateral o apoio no desenvolvimento da ferramenta para cálculo das emissões de carbono evitadas nos projetos apoiados pelo banco com recursos do Fundo Clima.