Batalhão da PM denunciado por Marielle é o que mais mata no Rio

No último sábado, a vereadora havia denunciado relatos de lideranças da favela de Acari sobre os abusos dos policiais do 41º batalhão do Rio

Rio – O 41º Batalhão da Polícia Militar (Irajá) havia se tornado um dos principais alvos de denúncias apresentadas pela vereadora Marielle Franco, cujo mandato era focado no combate ao racismo e à violência de gênero e na defesa de minorias, como o público LGBT.

No sábado, dia 10, divulgando denúncias de lideranças da favela de Acari, da zona norte, ela publicou nas redes sociais: “O que está acontecendo agora em Acari é um absurdo! O 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da Morte. CHEGA de matarem nossos jovens”. Pouco mais tarde, ela publicou sobre a suposta morte de dois jovens por PMs do batalhão – que não é confirmada pela corporação.

O batalhão é acusado por moradores de truculência. De 2013 a 2016 (último dado disponível), o total de autos de resistência – quando o policial mata supostamente em legítima defesa – passou de 51 para 117. Em 2016, o 41º Batalhão foi recordista no Estado de ocorrências do tipo.

PMs do 41º são acusados de envolvimento na chacina de Costa Barros, há dois anos. Na ocasião, cinco jovens de 16 a 25 anos foram mortos dentro de um carro. O veículo foi atingido 111 vezes. Outro episódio violento que envolveu agentes do batalhão foi o homicídio de Maria Eduarda, de 13 anos, morta no ano passado, no pátio da escola onde estudava, em Acari, em operação do 41º BPM.

Denúncias

Marielle divulgava denúncias feitas pelas lideranças comunitárias de Acari que já haviam sido apresentadas ao Observatório da Intervenção. O grupo, criado por iniciativa da Universidade Candido Mendes, é formado por entidades da sociedade civil para acompanhar a ação federal. A vereadora fazia parte do grupo.

Na última terça-feira, 13, Marielle voltou às redes para denunciar, desta vez na comunidade do Jacarezinho, também na zona norte: “Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”, questionou.

Procurada nesta quinta-feira, 15, pela reportagem para comentar as denúncias, a PM não respondeu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.