Bancários entram em greve por tempo indeterminado

Desde a primeira semana de setembro, quando a Fenaban apresentou proposta de reajuste diferente da reivindicação dos bancários, os trabalhadores ameaçam cruzar os braços

São Paulo – Os bancários de todo o país entram em greve nesta terça-feira por tempo indeterminado. Desde a primeira semana do mês, quando a Federação Nacional de Bancos (Fenaban) apresentou proposta de reajuste salarial muito distinta da reivindicação dos bancários, os trabalhadores ameaçam cruzar os braços. Ao todo, a categoria reúne cerca de 500 mil funcionários no país.

Os banqueiros apresentaram proposta de reajuste linear para salários, pisos e benefícios de 6%. A proposta passa longe da reivindicação dos trabalhadores que pedem 10,25%, sendo 5% de aumento real. “As expectativas que eles (bancários) demonstram estão fora da realidade que a economia está vivendo. Este ano a economia está muito indefinida. Precisamos de certa cautela para fazer acordos”, justificou o diretor de Relações de Trabalho da Fenaban, Magnus Ribas Apostólico.

Em 2011, os bancários conseguiram reajuste de 9%, com 1,5% de aumento real. “Neste ano, o que eles ofereceram dá só 0,58% de aumento real”, disse o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Carlos Cordeiro.

Apostólico contesta a avaliação dos bancários de que a Fenaban não está disposta a negociar: “Nós dissemos a eles: avaliem a proposta, vejam se existe alguma coisa que precisa ser feita de forma diferenciada, que nós levaremos aos bancos”. De acordo com ele, a Fenaban está disposta a fechar acordo com os bancários, mas tem limitações. “Temos uma convenção coletiva bastante cara com muitos benefícios. É possível evoluir, mas não é possível fazer grandes saltos”, afirmou.

“Greve é ruim para banco, bancário, população. Nós estamos saindo de uma série de greves do serviço público e gostaríamos de evitar isso (a paralisação)”, disse Apostólico.

Além do reajuste salarial, os trabalhadores pedem mudanças na participação nos lucros e resultados (PLR) e em outras questões econômicas. A proposta da Fenaban foi de PLR de 90% do salário acrescido de valor fixo de R$ 1.484,00, podendo chegar a 2,2 salários de cada empregado. A reivindicação dos bancários à Fenaban é de PLR de três salários mais R$ 4.961,25 de parcela fixa.