As votações da Câmara e do Senado que vão afetar sua vida

Redução da maioridade penal, mudanças na tabela do imposto de renda e criminalização do aborto são temas que serão debatidos pelo Legislativo neste ano

São Paulo – Depois de terem “enforcado” o primeiro dia de trabalho do ano, deputados e senadores terão vários temas espinhosos para debater nas comissões e no plenário do Congresso a partir desta segunda-feira (5).

Entre as polêmicas, estão propostas para revogar o estatuto do desarmamento, para criar regulações para os aplicativos de transporte público e para legalizar os jogos de azar.

Veja o que vai estar na pauta e acompanhe:

Na Câmara

Reforma da Previdência: a maior expectativa de votação do ano também é a maior incerteza até agora. Por um lado, Temer anunciou que a votação da reforma está marcada para 19 e 20 de fevereiro; por outro, Rodrigo Maia repete que só coloca o texto em pauta quando houver votos suficientes para aprová-lo. Por isso, o presidente deve intensificar as conversas com parlamentares, e admite fazer mudanças no texto.

Privatização da Eletrobras: o Planalto enviou à Câmara dos Deputados neste mês um projeto de lei com uma proposta de modelo para a privatização, que poderia arrecadar cerca de 12 bilhões de reais para o Orçamento da União de 2018. O texto, que será relatado pelo deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA) na Câmara, precisará também ser aprovado no Senado.

Foro privilegiado: a Câmara criou uma comissão para tratar da restrição do foro, que hoje abrange 55 mil pessoas. A ideia é que ele passe a valer só para os presidentes República, do Senado, da Câmara e do Supremo Tribunal Federal (STF). Os partidos ainda precisam terminar de indicar os parlamentares que vão compor a comissão.

Aborto: talvez uma das propostas mais polêmicas do ano passado. A votação ficou travada porque deputados colocaram, em um projeto de lei sobre licença-maternidade, uma cláusula afirmando o direito à vida “desde a concepção”, o que pode levar a interpretações que criminalizam o aborto mesmo nos casos em que ele é legalizado hoje. A comissão precisa terminar de votar os destaques, mas, já na época, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que o projeto não passaria ao plenário dessa forma.

Aplicativos de transporte: deputados vão voltar a debater as regras para regularizar os aplicativos de transporte como o Uber. Por enquanto, o funcionamento deve obedecer às legislações municipais, mas a ideia é criar uma regra nacional. O principal ponto de atrito, na Câmara, é sobre a eventual exigência de autorização específica para os motoristas.

No Senado

Imposto de Renda: a Comissão de Assuntos Econômicos vai começar a debater uma nova tabela de cobrança do Imposto de Renda. A proposta prevê, em vez das quatro faixas de tributação hoje existentes, oito níveis diferentes de cobrança, que aumentam  conforme o salário sobe. Rendimentos de até 3.300 reais seriam isentos, e rendimentos acima de 49.500 reais pagariam 40% de IR.

Casamento homoafetivo: uma proposta de autoria da senadora Marta Suplicy (PMDB) para legalizar integralmente a união estável entre pessoas do mesmo sexo pode voltar a ser debatida no Senado. O texto chegou ao plenário no final do ano passado, mas, devido à polêmica do tema, não foi votado.

Desarmamento: as comissões do Senado têm pela frente duas propostas referentes ao desarmamento. Uma delas prevê a autorização de habitantes de áreas rurais para portar armas. A outra, mais polêmica, quer revisar o Estatuto do Desarmamento e cancelar o plebiscito realizado em 2003 para convocar outro.

Maioridade penal: tramita na Comissão de Constituição e Justiça uma proposta para reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos, a PEC 33/2012. A PEC reduz a maioridade penal nos casos em que menores infratores cometem crimes hediondos como latrocínio, extorsão, estupro, favorecimento à prostituição e exploração sexual de crianças, adolescentes e vulneráveis e ainda homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte e reincidência em roubo qualificado.

Cigarro: o projeto de lei quer proibir os brasileiros de fumar dentro dos próprios automóveis. A intenção é diminuir a exposição de crianças e adolescentes ao fumo passivo. O texto tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Jogos de azar: o projeto para legalizar os jogos de azar está tramitando na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, e pode ser votado neste ano. Em nota técnica, o Ministério Público Federal sugeriu ao Senado, recentemente, que promova uma ampla discussão sobre o projeto.

Fake news: o senador Ciro Nogueira quer punir até com prisão quem divulgar notícias falsas sobre assuntos de interesse público pelas redes sociais. O projeto de lei também é atribuição da CCJ, e aguarda designação de relator. A pena pode ser de um a três anos de prisão, e seria aumentada caso a notícia falsa tenha sido divulgada visando obtenção de alguma vantagem.

(com Reuters, Estadão e Agência Senado)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Amanda Afredo

    empréstimo! empréstimo!!!! empréstimo!!!Procura uma empresa de empréstimo privado respeitável e acreditados que fornece empréstimos para vida oportunidade.Oferecemos todos os tipos de empréstimos em um muito rápido e fácil caminho, empréstimos pessoais, empréstimos de carro, empréstimos hipotecários, empréstimos estudantis, empréstimos de negócio, empréstimos para investimentos, consolidação de débito e muito mais.Foram rejeitadas pelos bancos e outras instituições financeiras?Você precisa de um empréstimo de consolidação ou uma hipoteca? não parece mais que estamos aqui para fazer todos os seus problemas financeiros, uma coisa do passado.Podemos emprestar fundos para indivíduos e empresas que necessitam de assistência financeira a uma taxa de 2%.Sem número de segurança social necessária e sem verificação de crédito necessário, 100% garantido.Eu quero usar este meio para informar que prestamos assistência de confiança e apoia, e nós ficaremos felizes em lhe oferecer um empréstimo.Então envie-em um e-mail para: (mariannelson2012@gmail.com) para aplicar para um empréstimo