As campeãs em infra-estrutura

Pesquisa revela quais as cidades com a melhor infra-estrutura do país -- fator decisivo na atração de investimentos

Ao anunciar que abriria no Brasil seu terceiro centro de tecnologia global, o conglomerado financeiro HSBC, com sede em Londres, recebeu propostas de vários municípios interessados em abrigar o pólo de excelência. Após analisar cuidadosamente todas as ofertas, o HSBC anunciou a cidade vencedora: Curitiba. O motivo? “Além de sediar a matriz da subsidiária do grupo no Brasil, Curitiba ofereceu as melhores condições. A cidade conta com uma ótima infra-estrutura de comunicação, um excelente sistema de transporte público e é referência em planejamento urbano”, afirma Jacques Depocas, principal executivo do centro de tecnologia global do HSBC no Brasil. Inaugurado em agosto, o centro tem como objetivo desenvolver e exportar soluções de informática e serviços em tecnologia da informação (TI) para outras unidades do banco espalhadas por 76 países.

A escolha do HSBC não se deu por acaso. Curitiba está entre os três municípios com a melhor infra-estrutura do país, atrás apenas de São Paulo e do Rio de Janeiro, de acordo com estudo exclusivo realizado pela consultoria paulista Simonsen Associados em parceria com EXAME. O levantamento evidencia o peso que a infra-estrutura de uma cidade tem nas tomadas de decisão de negócios de uma empresa. É natural que cidades como São Paulo e Rio de Janeiro ocupem as primeiras posições do ranking, dado o papel central que exercem na economia do país. São Paulo tem a maior frota de veículos, o aeroporto mais movimentado, o maior número de imóveis ligados à rede de água. Entre as dez primeiras cidades, o Rio tem o maior número de postos de gás natural veicular (GNV), o maior consumo per capita residencial de energia elétrica, a segunda maior frota de veículos. Mas outras cidades fora do eixo Rio­São Paulo também se destacam. Uma delas é Goiânia, em oitavo lugar na classificação. No caso da capital goiana, o desenvolvimento da infra-estrutura de transporte está diretamente ligado ao agronegócio. Localizada na região central do país, Goiânia fica próxima a Brasília e é vizinha de Anápolis, onde há um porto seco que possibilita as importações e exportações. Com estradas, ferrovias e hidrovias, a cidade consegue fazer todo o escoamento de sua produção de soja, milho, algodão e leite. O aeroporto da cidade, Santa Genoveva, está sendo modernizado. Com a riqueza gerada pelo campo, Goiânia tem mais veículos por habitante do que São Paulo. “E é só frota nova. Dificilmente você vê carro velho na cidade”, afirma João de Paiva Ribeiro, secretário de Desenvolvimento Econômico de Goiânia.

Mas não são apenas as capitais que aparecem na lista com destaque. Outro município que chama a atenção é Campinas (SP), a cidade do interior mais bem classificada no ranking — quinto lugar, à frente de Porto Alegre e Belo Horizonte. Alguns fatores ajudam a explicar o excelente desempenho. Campinas encontra-se em uma posição geográfica privilegiada, entre as rodovias Anhangüera, Bandeirantes e Santos Dumont, e a apenas 100 quilômetros de São Paulo. Isso ajudou a transformá-la em um dos principais pólos de alta tecnologia, atraindo multinacionais como IBM, Compaq e HP. “Exportamos excelência para o mundo todo”, diz Sinval Dorigon, secretário de Comércio e Indústria de Campinas. Esses fatores também foram colocados na balança pela gigante indiana TCS (Tata Consultancy Services), líder mundial em consultoria de TI. No final de 2005, a empresa decidiu instalar uma fábrica de softwares no parque tecnológico de Campinas. “A cidade representa 9% do PIB paulista e abriga indústrias de grande porte, que são potenciais clientes para nós. Tem excelentes universidades e o aeroporto internacional de Viracopos facilita a logística. Além disso, Campinas fica próxima a São Paulo”, diz Carlos Elias, diretor da TCS do Brasil.

Essa talvez seja a única (e leve) distorção do ranking. A proximidade com São Paulo acaba beneficiando cidades que, se ficassem em outros estados, não fariam tão boa figura. Mas a localização, claro, é um dado concreto, real, e não pode ser desprezada. São os casos, por exemplo, de São Bernardo do Campo e Guarulhos, empatados em nono lugar. Ambos os municípios têm localização privilegiada do ponto de vista logístico, principalmente pela proximidade com algumas das mais importantes rodovias do país (Dutra, Ayrton Senna e Fernão Dias) e com os portos de Santos e de São Sebastião, além, é claro, do aeroporto de Cumbica. Apesar da boa classificação, Guarulhos ainda tem um enorme desafio pela frente. A cidade enfrenta um problema grave de saneamento básico. A maior parte do esgoto da região vai para os rios que circundam o município. Além disso, a população da cidade vem crescendo de forma muito rápida — em média, 3,3% ao ano –, o que provoca o aparecimento de favelas. “O crescimento vem se dando de forma desordenada. Há lugares com infra-estrutura muito boa e outros sem nenhuma infra-estrutura”, afirma Décio Pompeu, presidente da associação comercial da cidade.

A questão do saneamento básico é, de forma geral, o mais vergonhoso gargalo da infra-estrutura brasileira. Mesmo numa cidade como São Paulo, primeira colocada no ranking, o índice de tratamento de esgoto é de apenas 68,5%. “Os municípios terão de enfrentar essa questão num contexto mundial em que há cada vez mais pressão pela preservação do meio ambiente”, afirma Antonio João Vialle Cordeiro, sócio da consultoria Simonsen Associados e coordenador do estudo. “Outro ponto crucial é como as cidades estão se preparando para lidar com uma economia cada vez mais globalizada. Portos, aeroportos, ferrovias, estradas e frota de veículos são fundamentais para escoar a produção. Sem isso, a economia não cresce”, diz Cordeiro.

Os 100 municípios com melhor infra-estrutura do país
Ordem Município Pontuação (em % da média=100)
1 São Paulo-SP 180,27
2 Rio de Janeiro-RJ 169,67
3 Curitiba-PR 167,36
4 Brasília-DF 163,67
5 Campinas-SP 163,21
6 Porto Alegre-RS 160,91
7 Belo Horizonte-MG 159,52
8 Goiânia-GO 153,07
9 São Bernardo do Campo-SP 144,31
  Guarulhos-SP 144,31
11 Florianópolis-SC 139,24
12 Salvador-BA 136,93
13 Fortaleza-CE 136,47
14 Caxias do Sul-RS 136,01
  Piracicaba-SP 136,01
16 Jundiaí-SP 135,09
17 Vitória-ES 134,63
18 Recife-PE 133,71
19 Ribeirão Preto-SP 133,24
20 Londrina-PR 131,86
21 Joinville-SC 131,40
  Sorocaba-SP 131,40
23 Blumenau-SC 130,48
  São José dos Campos-SP 130,48
25 Uberlândia-MG 130,02
26 São José do Rio Preto-SP 128,17
27 Santo André-SP 127,71
28 Campo Grande-MS 125,87
  Manaus-AM 125,87
30 Santos-SP 125,41
  Vila Velha-ES 125,41
32 Aracaju-SE 124,95
33 Americana-SP 123,56
  Bauru-SP 123,56
35 Juiz de Fora-MG 122,64
36 Araraquara-SP 121,26
  Cabo Frio-RJ 121,26
38 Macaé-RJ 120,80
  Itajaí-SC 120,80
40 Cuiabá-MT 120,33
  Cachoeiro de Itapemirim-ES 120,33
42 Niterói-RJ 119,87
  São José dos Pinhais-PR 119,87
44 Maringá-PR 119,41
45 São Carlos-SP 118,95
  Rio Claro-SP 118,95
47 Ponta Grossa-PR 118,49
  Bento Gonçalves-RS 118,49
49 Limeira-SP 117,57
50 Cascavel-PR 117,11
  São Caetano do Sul-SP 117,11
  Botucatu-SP 117,11
  Araras-SP 117,11
54 Contagem-MG 116,65
55 Itu-SP 116,19
  Campo Largo-PR 116,19
57 São Luís-MA 115,26
58 Santa Cruz do Sul-RS 114,80
  Osasco-SP 114,80
60 São José-SC 114,34
  Serra-ES 114,34
62 Araucária-PR 113,88
63 Catanduva-SP 113,42
  Presidente Prudente-SP 113,42
  Belém-PA 113,42
66 Santa Maria-RS 112,96
  Pelotas-RS 112,96
  Maceió-AL 112,96
69 Jaraguá do Sul-SC 112,50
  Criciúma-SC 112,50
  Poços de Caldas-MG 112,50
72 Taubaté-SP 112,04
73 Cotia-SP 111,57
  Tatuí-SP 111,57
75 Jaú-SP 111,11
  Indaiatuba-SP 111,11
  Barretos-SP 111,11
78 Pouso Alegre-MG 110,65
  Petrópolis-RJ 110,65
  Atibaia-SP 110,65
81 Uberaba-MG 110,19
  Canoas-RS 110,19
83 Barueri-SP 109,73
84 Araçatuba-SP 109,27
  Ourinhos-SP 109,27
86 Novo Hamburgo-RS 108,81
  Gravataí-RS 108,81
88 Chapecó-SC 107,89
  Mogi das Cruzes-SP 107,89
  Bragança Paulista-SP 107,89
  Anápolis-GO 107,89
  Ribeirão Pires-SP 107,89
  Foz do Iguaçu-PR 107,89
94 São Leopoldo-RS 107,43
  Cachoeirinha-RS 107,43
96 Patos de Minas-MG 106,96
97 Sete Lagoas-MG 106,50
  Rio Grande-RS 106,50
  Praia Grande-SP 106,50
100 Marília-SP 106,04