Lista de Fachin: Veja as principais acusações contra políticos

Além da longa lista de investigados, há detalhes das delações dos 77 executivos e ex-executivos das empresas Odebrecht e Braskem

São Paulo – O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, autorizou a abertura de 74 inquéritos contra políticos com foro especial nesta terça-feira, 11.

Mais de cem políticos são contemplados na lista de investigados que foi feita com base nas delações dos 77 executivos e ex-executivos das empresas Odebrecht e Braskem.

Veja as acusações que pesam sobre alguns desses políticos, segundo as informações do jornal O Estado de S. Paulo e da revista VEJA:

Eliseu Padilha e Moreira Franco (PMDB)

Os ministros da Casa Civil e da Secretária-Geral da Presidência são acusados de cobrar propina em processos de concessões de aeroportos para campanhas eleitorais do partido.

Em acordo com a Odebrecht em 2014, Moreira Franco teria solicitado o valor de R$ 4 milhões sob pretexto de campanha eleitoral. Também foi mencionado um jantar que reuniu Michel Temer, Marcelo Odebrecht e Eliseu Padilha no Palácio do Jaburu em maio de 2014, quando foi pedida a quantia de R$ 10 milhões.

Rodrigo Maia (DEM-RJ)

O presidente da Câmara dos Deputados foi mencionado por cinco delatores, que relataram uma série de repasses de dinheiro para o deputado. Em 2008, Maia teria solicitado e recebido R$ 350 mil para auxílio em campanha eleitoral; em 2010, ele teria pedido um novo repasse de R$ 600 mil para a campanha de seu pai, César Maia.

Rodrigo Maia foi mencionado nas delações de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, João Borba Filho, Cláudio Melo Filho, Carlos José Fadigas de Souza Filho e Luiz Eduardo da Rocha Soares.

Eunício Oliveira (PMDB-CE), o “Índio”

O presidente do Senado recebeu R$ 2 milhões da Odebrecht, segundo os delatores.

No mesmo inquérito, também serão investigados os senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL), e os deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Aécio Neves (PSDB-MG), o “Mineirinho”

Cinco inquéritos foram abertos contra o senador e presidente nacional do PSDB por suposta solicitação de propinas e doações de caixa 2 à Odebrecht.

Junto com ele, são investigados José Serra (SP), Antonio Anastasia (MG), Cássio Cunha Lima (PB), Ricardo Ferraço (ES) e Dalírio Beber (SC).

Em um depoimento, os delatores disseram que pagaram, a pedido de Aécio, R$ 5,4 milhões em “vantagens indevidas” para a campanha de Anastasia em 2010. Em 2014, também foi relatado caixa dois para sua campanha e de outros parlamentares.

Outros inquéritos também irão apurar fraudes e indícios de corrupção na construção da sede do governo mineiro e de obras de usinas.

De acordo com Valladares, Aécio recebia mesadas que variavam de 1 milhão a 2 milhões de reais.

Aloysio Nunes e José Serra (PSDB-SP)

O senador será investigado junto com o ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes por suposto recebimento de propina nas obras do Rodoanel.

Em 2007, Serra era governador de São Paulo e Nunes era chefe da Casa Civil do estado.

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Para aprovar a MP 627/13, Renan e Romero Jucá teriam recebido R$ 5 milhões em propina da Odebrecht.

Blairo Maggi (PP-MT)

O ministro da Agricultura teria recebido R$ 12 milhões para a campanha eleitoral de 2006.

Eduardo Paes (PMDB-RJ), o “Nervosinho”

O ex-prefeito do Rio de Janeiro recebeu R$ 15 milhões da Odebrecht em 2012 para facilitar contratos para as Olimpíadas, segundo a delação de Benedicto Barbosa da Silva Júnior.

Em outra delação, Paes é acusado de negociar repasse de R$ 3 milhões para a campanha do deputado federal Pedro Paulo em 2010.

Kátia Abreu (PMDB-TO), a “Machado”

Quatro delatores afirmaram que a senadora recebeu R$ 500 mil por meio de caixa dois para sua campanha em 2014. As negociações teriam sido intermediadas por seu marido e assessor no Ministério da Agricultura, Moisés Pinto Gomes.

Vanessa Grazziotin (PC do B-AM)

O “departamento de propinas” da Odrebrecht teria feito repasses para a senadora e seu marido, Eron Bezerra, por meio de caixa 2, em 2012, para a campanha de Grazziotin à prefeitura de Manaus.

Edison Lobão (PMDB-MA)

O parlamentar teria faturado R$ 5,5 milhões da empreiteira para ajudar a anular uma licitação.

Lindbergh Farias (PT-RJ)

O senador teria sido beneficiário de 4,5 milhões de reais em propinas nas campanhas de 2008 e 2010.

Ciro Nogueira (PP-PI)

O senador teria recebido, via caixa dois, R$ 1,6 milhão da Odebrecht nas eleições de 2010 e 2014.

Celso Russomano (PP-SP)

O deputado federal é suspeito de ter recebido R$ 50 mil em propina para a campanha de 2010.

OUTROS POLÍTICOS

O ministro Edson Fachin também remeteu uma lista de mais de 200 pessoas para investigação em outras instâncias. Entre eles, estão:

Geraldo Alckmin (PSDB-SP) 

O governador de São Paulo teria usado o próprio cunhado para receber propina de R$ 10,3 milhões da Odebrecht durante as campanhas eleitorais de 2010 e 2014

Dilma Rousseff (PT ) 

Em troca da edição e aprovação de medidas provisórias, a ex-presidente teria recebido R$ 150 mi em repasses para as campanhas presidenciais de 2010 e 2014.

Fernando Henrique Cardoso 

O ex-presidente foi mencionado na delação de Emílio Odebrecht, que revelou ter pago “vantagens indevidas não contabilizadas” em 1993 e 1997 para as campanhas de FHC à Presidência da República.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Ele teria contratado uma empresa de espionagem. O ex-presidente da Câmara dos Deputados para tentar barrar as investigações da Operação Lava Jato.

Mais informações em instantes