Artistas lamentam morte de Ágatha Félix, menina de 8 anos baleada no Rio

Garota foi atingida nas costas por um tiro de fuzil dentro de uma Kombi no Complexo do Alemão, na noite de sexta-feira, 20

Diversas personalidades lamentam a morte da garota Ágatha Vitória Sales Félix, de oito anos. O corpo da menina foi velado e enterrado no cemitério de Inhaúma, zona norte do Rio de Janeiro. Ágatha foi atingida nas costas por um tiro de fuzil dentro de uma Kombi no Complexo do Alemão, na noite de sexta-feira, 20.

A cantora Iza expressou tristeza no perfil dela no Instagram e desejou conforto para os familiares da garota. “Essa menina tão linda, tão jovem, vítima da realidade violenta do Rio, sobretudo realidade das favelas cariocas. Meu coração chora quando penso que infelizmente histórias como essa se repetem a todo momento por aqui”, disse.

Paula Lima também usou as redes sociais neste domingo, 22. “Ágatha foi super heroína. Feliz que vivia neste nosso Brasil, mesmo com todas as adversidades impostas pela política, pelo estado. Aos oito anos teve a sua vida interrompida por um tiro de fuzil nas costas. Eu sinto profunda tristeza. Que os anjos te guiem, minha querida”, escreveu a cantora.

O apresentador da TV Globo Otaviano Costa publicou uma imagem de Ágatha e lembrou que tem uma filha da mesma idade da garota. “Que dor. Que tristeza. Quantas crianças feridas e mortas somente em 2019 aqui no Rio de Janeiro. Hoje também morreu um outro policial. É assim! Sempre foi assim! Mas até quando será?” questionou.

View this post on Instagram

A linda Agatha tinha a idade de minha filha. Que dor. Q tristeza. Qtas crianças feridas e MORTAS somente em 2019 aqui no RJ!! Hoje tbm morreu um outro policial. É assim! Sempre foi assim! Mas até quando será? Pergunta recorrente né? Letárgicos, entristecidos, sem esperança. Por um outro lado, vejo os vermes do congresso e senado, aprovando um FUNDÃO IMORAL de BILHÕES (que poderiam estar sendo usados para nossa gente e para tanta coisa!), para facilitar seus esquemas, CAMPANHAS ELEITORAIS dos seus pares vagabundos e seus partidos miseráveis! Além, lógico, todo NOSSO DINHEIRO usado para bancar seus gabinetes e REGALIAS PARLAMENTARES! NOJO de todos eles! @rodrigomaiarj e @davialcolumbre vcs q se põe como paladinos, bastiões do país, são apenas o retrato do PIOR. Absoluto PIOR, que mata pessoas e famīlias, todo santo dia, por todo nosso Brasil. Pobre era a AGATHA. Mas mais pobres estamos nós como sociedade. TODO MEU AMOR A FAMÍLIA DA AGATHA E DAS TANTAS OUTRAS QUE PERDEM(eram) SEUS ENTES TÃO QUERIDOS, NESTE PAÍS QUE NÃO CUIDA DOS SEUS FILHOS. Que esta linda garotinha descanse no colo do senhor🙏 ❤️ #Repost @vozdascomunidades ・・・ Infelizmente, nossa menina Agatha Félix não resistiu aos ferimentos e morreu… Ela havia sido baleada na noite de ontem, sexta-feira, 21 de setembro de 2019, enquanto estava com a família dentro de uma Kombi, na localidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão. Ela foi levada para UPA do Alemão, mas foi transferida em seguida para o HGV, na Penha.

A post shared by OTAVIANO (@otaviano) on

Já o ator Fábio Assunção participou do cortejo da menina Ágatha. O ator caminhou pelas ruas do morro do Alemão pedindo justiça. “Agatha tinha oito anos. Uma criança de oito anos ainda é pura, ainda está na categoria de anjo, na minha percepção. Minha filha tem oito. Meu filho já teve. Essa guerra em vigor é uma guerra inútil, onde todos perdem. Todos. Policiais em serviço morrem. Cidadãos de bem morrem. Crianças morrem. Quem teve a sorte de não estar na linha de tiro pode se posicionar também. Amorosa e pacificamente”, desabafou.

View this post on Instagram

Sei o que pensa uma parte da população. E venho aqui de novo dar minha cara a tapa. Mas, independentemente do que pensa esse grupo que enaltece a morte, eu sinto amor e estive no Alemão hoje. Solidário, empático com a dor coletiva e marcando a posição que acredito. Que é a urgência em nos reconhecermos entre aqueles de quem aprendemos manter distância. Aprendemos que os pobres são perdedores, que os pretos são perigosos e que os ricos venceram. Será que não conseguiremos romper essa educação colonial e entender agora que somente o coletivo, a soma e a diversidade podem nos trazer alegria?? Hoje caminhando ali percebi que tinha pouca gente no cortejo. Percorri as ruas com moradores e moradoras chorando ou em silêncio. Existiam ali amor e tristeza. Ruas cheias de buracos, casas sem fachada, obras paradas, esgoto a céu aberto. O morador da periferia e da comunidade não merece viver? Está ali apenas para servir às classes que herdaram algo ou aos que tiveram chance de conquistar uma moradia silenciosa, aos que não dormem ao som dos tiroteios? Agatha tinha 8 anos. Uma criança de 8 anos ainda é pura, ainda está na categoria de anjo, na minha percepção. Minha filha tem 8. Meu filho já teve. Essa guerra em vigor é uma guerra inútil, onde todos perdem. Todos. Policiais em serviço morrem. Cidadãos de bem morrem. Crianças morrem. Quem teve a sorte de não estar na linha de tiro pode se posicionar também. Amorosa e pacificamente. Talvez isso não aconteça amanhã, mas o tempo há de nos levar pelo caminho da admiração mútua, pois todos precisam de amor, de afeto e de oportunidade de crescer. E todos são maravilhosos, cheios de força e talento pra botar pra fora. Falta apenas um olhar. Morador pobre de comunidade não é coitado. Coitados são aqueles que desprezam a vida do outro. 🐨🐨🖤🖤💛💛💛💛💛💛

A post shared by Fabio Assunção (@fabioassuncaooficial) on

O escritor e desenhista Maurício de Sousa também prestou solidariedade a família de Ágatha. A mãe da garota aparece no enterro da filha segurando uma boneca da Mônica, personagem principal dos quadrinhos dele. “Meus sentimentos e minhas lágrimas pela pequena Ágatha”, escreveu.

View this post on Instagram

Meus sentimentos e minhas lágrimas pela pequena Agatha!…

A post shared by Mauricio de Sousa (@mauricioaraujosousa) on

PMs serão ouvidos no Rio

Os policiais militares envolvidos na ação que resultou na morte de Ágatha, serão ouvidos no fim da manhã desta segunda-feira, 23, na Delegacia de Homicídios (DH) do Rio. Além de ouvir os depoimentos dos policiais, os investigadores deverão recolher as armas utilizadas na ação e encaminhar para perícia.

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro informou em nota divulgada no sábado que lamentava “profundamente a morte da pequena Ágatha no Complexo do Alemão” e manteve a versão de que os agentes apenas revidaram a uma agressão de criminosos “quando foram atacados de várias localidades da comunidade de forma simultânea”.

Moradores contestam a informação e dizem que o tiro partiu dos policiais. A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) comunicou que abrirá “um procedimento apuratório para verificar todas as circunstâncias da ação”.