Aprovado projeto para ampliação do aeroporto internacional de SP

Obra só estará 40% concluída até a Copa do Mundo de 2014, segundo a Folha de S.Paulo

São Paulo – O Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, o mais importante do Brasil, vai dobrar sua capacidade de passageiros ao fim da construção do terceiro terminal, obra que estará 40% finalizada para a Copa do Mundo do Brasil, em 2014, publicou neste domingo o jornal “Folha de S.Paulo”.

De acordo com a publicação, o projeto, que já foi aprovado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), prevê a construção de terceiro terminal de 230 mil metros quadrados com capacidade para 19 milhões de passageiros ao ano, bem próximo dos 20,5 milhões de pessoas que o aeroporto recebe atualmente.

Conforme o jornal, que faz referência à revista especializada “Monolito”, a Infraero prevê a conclusão de 40% das obras para o fim de 2013, com a aplicação de R$ 716,6 milhões, o que representaria aumento da capacidade de passageiros de 10 milhões de pessoas.

O restante do projeto, para mais 19 milhões de passageiros, será finalizado depois da Copa do Mundo de 2014.

Segundo o escritório de arquitetura vencedor do projeto, que tem forma de avião, a diretriz recebida por parte das autoridades é que fosse uma obra de rápida execução.

“Será uma obra mais de montagem mecânica do que de construção civil”, detalhou um dos arquitetos responsáveis pelo projeto, Mário Biselli, quem explicou que serão utilizados materiais pré-fabricados e metálicos.

O projeto da prioridade aos materiais leves e para entrada de luz natural e a licitação para a construção da obra depende dos requisitos técnicos e está prevista para final deste ano.

O plano de construir um terceiro terminal para o aeroporto de Guarulhos, que no ano passado recebeu 26 milhões de passageiros, acima de sua capacidade, tem 17 anos.

Uma das preocupações dos especialistas está nas pistas de aterrissagem e decolagem, atualmente em número de duas, que acreditam entrarão em colapso com o aumento de passageiros após a ampliação do aeroporto.