Após polêmica com filme, Igreja pode perder tutela do Cristo

Depois da Arquidiocese negar o uso da imagem do Cristo Redentor no filme "Rio, eu te amo" (e voltar atrás), governo estaria tentando retomar a tutela sobre o monumento

São Paulo – A estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, além de uma das sete maravilhas modernas do mundo e o maior símbolo da cidade, agora também seria motivo de disputa entre o governo brasileiro e a Igreja Católica

Segundo informações do blog de Merval Pereira, do jornal O Globoa ministra da Cultura Marta Suplicy teria feito chegar ao Cardeal D. Orani Tempesta uma ameaça de retirar da Igreja Católica a tutela sobre a imagem. Já haveria, inclusive, um decreto presidencial pronto.

Em nota (veja na íntegra ao final), a Ministra negou a informação. “Jamais existiu nenhum tipo de ação ou pressão que tenha envolvido o governo brasileiro seja através do Ministério da Cultura ou de qualquer outra instância governamental, frente à questão da imagem do Cristo Redentor”, disse Marta Suplicy.

A decisão da ministra teria relação com o impasse gerado por conta do filme “Inútil Paisagem”, de José Padilha, que tem uma cena em que o Cristo aparece. O filme é um dos curtas que fazem parte do longa “Rio, eu te amo”, que estreia em setembro. 

Em março, a Arquidiocese do Rio vetou a veiculação da cena por considerá-la desrespeitosa. Dias depois, por conta da repercussão negativa, a Igreja voltou atrás e liberou o uso da imagem do Cristo. 

A estátua do Cristo Redentor está em área que foi cedida pela União à Arquidiocese do Rio na década de 1930. O acesso ao local, no entanto, é feito pelo Parque Nacional da Tijuca, de propriedade do governo federal. 

Veja o trailer de “Rio, eu te amo”:

//www.youtube.com/embed/dAXt0VpLsnQ?rel=0

Veja a nota de esclarecimento enviada pela ministra Marta Suplicy:

“Não procedem e nem são verdadeiros os fatos relatados na coluna do jornalista Merval Pereira no jornal O Globo de hoje. Jamais existiu nenhum tipo de ação ou pressão que tenha envolvido o governo brasileiro seja através do Ministério da Cultura ou de qualquer outra instância governamental, frente à questão da imagem do Cristo Redentor.

O único contato que mantive com o Cardeal Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, foi há três semanas quando lhe telefonei para saber como estava a situação sobre o uso da imagem do Cristo em filme do cineasta José Padilha. O Cardeal disse que já estava tudo resolvido, e toda conversa foi de forma amistosa.”

*Atualizada na segunda-feira, dia/ 4/8, às 9h30 para incluir o posicionamento do Ministério da Cultura.