Após debate, oficial de justiça tenta notificar Ciro em processo de Doria

O candidato pelo PDT é processado por calúnia, injúria e difamação, em ação movida pelo ex-prefeito de SP em agosto do ano passado

São Paulo – O candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, teve uma surpresa após o debate entre os presidenciáveis na Rede Globo, na noite desta quinta-feira (5).

Um oficial de justiça levou uma notificação para o candidato de um processo por calúnia e difamação movido por João Doria, que disputa o governo de São Paulo pelo PSDB.

A denúncia é de agosto do ano passado e a intimação informava que a audiência está marcada para 13 de novembro.

Ciro estranhou o fato de o caso estar na Justiça do Rio, sendo ele do Ceará e Doria, de São Paulo.

O pedetista chegou para a entrevista com jornalistas, realizada num outro espaço do Projac, bastante contrariado. Disse que chamou Doria de “farsante” quando de fato queria dizer “corrupto”.

Ele acusou a Globo de colocar um oficial de Justiça dentro de seu camarim para notificá-lo.

Em nota, a Rede Globo informou que o oficial de Justiça foi aos estúdios da emissora de surpresa, para entregar uma citação ao candidato Ciro Gomes. A pedido dos assessores do candidato, o oficial aceitou esperar o término do debate para cumprir a diligência.

“A fim de evitar que o episódio fosse explorado politicamente, o oficial foi encaminhado a uma sala reservada, para que lá pudesse realizar a diligência de forma discreta. Ao final do debate, Ciro, informado da situação, se negou a comparecer à sala em que se encontrava o oficial para receber a citação. O oficial de Justiça então resolveu ir ao encontro do candidato, mas foi impedido pelos assessores ou seguranças de Ciro de se aproximar dele. Ciro deixou os estúdios se negando a receber o documento”, informou a nota da assessoria de imprensa da emissora.

Procurada, a assessoria do candidato Ciro Gomes não se pronunciou até a publicação desta matéria.