Após cancelar reunião com ministro francês, Bolsonaro corta cabelo ao vivo

Presidente declarou que Jean-Yves Le Drian não "falaria grosso" com ele sobre questões ambientais e teria que entender que "mudou o governo do Brasil"

Por “falta de tempo”, o presidente Jair Bolsonaro cancelou a reunião que teria na tarde desta segunda-feira, 29, às 15h, com o ministro de Negócios Estrangeiros da França, Jean-Yves Le Drian, mas conseguiu espaço na agenda para cortar o cabelo na sequência, e ainda a transmitiu pela internet.

Segundo o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o encontro foi cancelado por “uma questão de agenda do presidente”. Antes das 16h, no entanto, Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais na qual aparecia cortando o cabelo no Palácio do Planalto. Procurada, a assessoria de imprensa da Presidência repetiu que a alteração ocorreu por “ajuste de agenda”.

Mais cedo, Bolsonaro falou da reunião que teria com o ministro francês dizendo que Le Drian “não vai querer falar grosso” sobre assuntos relacionados ao meio ambiente porque “vai ter que entender que mudou o governo do Brasil”.

Pai do presidente da OAB

O presidente afirmou ainda nesta segunda que Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, foi morto pelos correligionários que combatiam a ditadura a fim de evitar o vazamento de informações confidenciais. “Eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz”, afirmou. “Não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo que acontece.”

Ainda de acordo com o presidente, o grupo do qual Fernando fazia parte era “o mais sanguinário que tinha”. Ele defendeu as Forças Armadas brasileiras: “Se os militares eram tão maus assim, por que entregamos o poder em 85 à oposição?” Ele disse ainda que ficou sabendo da morte do pai do presidente da OAB, de “quem eu conversei à época, oras bolas”. “Não quero mexer com os sentimentos do sr. Felipe Santa Cruz, mas essa é a minha versão” afirmou.

A declaração de Bolsonaro, feita enquanto cortava o cabelo em uma transmissão ao vivo em suas redes sociais, foi uma tréplica a Santa Cruz, que havia criticado uma fala anterior do presidente. Pela manhã, Bolsonaro disse que poderia “contar a verdade” sobre como o pai dele desapareceu na ditadura militar.

“Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”, disse. Preso pelas forças de segurança do Estado, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira é considerado desaparecido até hoje.

O presidente da OAB reagiu e disse que as declarações de Bolsonaro demonstram “crueldade e falta de empatia”.

Após as declarações de Boslonaro, no entanto, o assunto mais comentado no Twitter brasileiro passou a ser a hashtag #AgoraFalaBolsonaro, pedindo que o presidente diga o que sabe sobre o que aconteceu com Fernando de Santa Cruz. Na live, Bolsonaro disse que, após os pedidos dos internautas, responderia à pergunta.

O livro-relatório “Direito à Verdade e à Justiça” destaca que um documento do então Ministério da Aeronáutica informou, em 1978, que Fernando Santa Cruz tinha desaparecido. Informações de perseguidos políticos ressaltaram que o desaparecimento ocorreu em 22 de fevereiro de 1974 e ele teria sido morto pelo DOI-CODI do Rio de Janeiro.

Anistia Internacional

A Anistia Internacional divulgou uma nota de repúdio aos comentários do presidente sobre Fernando Santa Cruz e pediu que o caso seja levado à Justiça.

“É terrível que o filho de um desaparecido pelo Regime Militar tenha que ouvir do presidente do Brasil, que deveria ser o defensor máximo do respeito e da justiça no país, declarações tão duras”, afirmou a diretora-executiva da Anistia no Brasil, Jurema Werneck.

“O Brasil deve assumir sua responsabilidade, e adotar todas as medidas necessárias para que casos como esses sejam levados à justiça. O direito à memória, justiça, verdade e reparação das vítimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes”.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chamou a mais cedo de “inaceitável” a declaração de Bolsonaro. “Não posso silenciar diante desse fato. Sou filho de um deputado federal cassado pelo golpe de 1964 e vivi o exílio com meu pai, que perdeu quase tudo na vida em 10 anos de exílio pela ditadura militar”, disse o governador em evento no Palácio dos Bandeirantes.