Aliados querem a relatoria da ação contra Cunha

O relator do processo deve ser escolhido pelo presidente do Conselho, o deputado José Carlos Araújo, a partir de 3 nomes de integrantes do colegiado sorteados

Brasília – Tão logo comece a apreciação do processo de quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o Conselho de Ética da Casa já deve enfrentar sua primeira polêmica.

O motivo são as regras para a escolha do relator do caso, que elaborará o parecer que vai indicar a manutenção ou a perda do mandato do deputado.

De acordo com o Código de Ética da Câmara, o relator do processo deve ser escolhido pelo presidente do Conselho, o deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), a partir de três nomes de integrantes do colegiado sorteados.

O relator não pode ser do Estado, do partido e do bloco do qual faz parte o denunciado.

Acontece que o bloco de Cunha era formado inicialmente por PMDB, PP, PTB, DEM, PRB, SD, PSC, PHS, PTN, PMN, PRP, PSDC, PEN e PRTB. Agora, o bloco se desfez em agrupamentos menores e o PMDB ficou ligado apenas ao PEN.

Assessores da Câmara entendem que vale o grupo atual, o que permite que aliados de Cunha disputem a relatoria. No entanto, o presidente do Conselho não está certo de qual formação deve aceitar como válida e conversará nesta terça-feira, 20, com a assessoria jurídica da Casa. “Não posso interpretar. Essa é uma questão que não posso errar”, afirmou.

Segundo aliados de Cunha, o presidente da Câmara gostaria de ter o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) na relatoria. Sá foi candidato à presidência do Conselho com apoio de Eduardo Cunha, mas acabou derrotado.

No colegiado, aliados calculam que os votos favoráveis a ele caíram de entre 11 e 14 para algo em torno de cinco.