Alckmin e Doria se encontram

No mesmo dia em que completa 100 dias à frente da prefeitura de São Paulo, João Doria (PSDB) tem um encontro simbólico com o governador do estado, Geraldo Alckmin (PSDB). A pauta é assinar um convênio que disponibilizará o sistema de compras do estado para a prefeitura. Mas o que todos querem saber é como anda o relacionamento entre criador e criatura, dois candidatos em potencial à presidência em 2018.

Como se sabe, o estilo mão na massa e marketeiro, a e o fato de não ter um passado político, jogam a favor de Doria em um momento em que a população está cansada de políticos tradicionais. A Lava-Jato só faz a balança pesar ainda mais para seu lado e abre o caminho ao Planalto por bater nas três cabeças do PSDB: os senadores Aécio Neves e José Serra e o próprio Alckmin.

Essa conjunção de fatores faz com que o prefeito paulistano tenha mais intenções de voto em pesquisas sobre as eleições presidenciais de 2018 que o padrinho governador. Em uma recente, feita somente no estado de São Paulo pelo instituto Paraná Pesquisas, mostra Doria com 26,3% das intenções de voto, ante 24,6 de Alckmin. Emissários de Aécio já buscaram se aproximar do prefeito na tentativa de tirar espaço de Alckmin.

Uma pesquisa publicada no fim de semana pelo Datafolha revela que 55% dos paulistanos são contrários a Doria sair da prefeitura para concorrer ao Planalto. Doria disse ao jornal Folha de S. Paulo, nesta segunda-feira, que é prefeito e seguirá prefeito. “Quem faz a onda não sou eu. É a opinião pública”, afirmou. Disse ainda que a responsabilidade por quaisquer problemas na cidade é dele, e que não foge da responsabilidade.

Alckmin pretende lançar a candidatura em evento marcado para o dia 27 de maio. Com Doria na cola, quanto antes, melhor.