Alckmin descarta racionamento de água em São Paulo

Segundo o governador, diversas medidas foram adotadas para garantir "da melhor forma" o abastecimento no Estado, negando a possibilidade de um racionamento

São Paulo – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou a afirmar na manhã deste sábado que não há nenhuma expectativa de racionamento de água em São Paulo, “até porque seria um erro do ponto de vista técnico”. Segundo o governador, diversas medidas foram adotadas para garantir “da melhor forma” o abastecimento no Estado, como a adição em outubro de um metro cúbico por segundo proveniente do sistema Guarapiranga, que vai reduzir a demanda do sistema Cantareira de 19 para 18 metros cúbicos por segundo.

Alckmin destacou que encaminhou na quinta-feira à presidente Dilma Rousseff propostas para otimizar o abastecimento de água em São Paulo. Ele preferiu não divulgá-las enquanto não fossem examinadas pelo Palácio do Planalto. “Temos uma expectativa positiva”, apontou. Ele citou que o Estado tem “inúmeros” projetos com o governo federal. Alguns deles poderiam envolver recursos do Tesouro Nacional, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC.

“Estamos falando de questões que envolvem três Estados: Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. É perfeitamente possível compatibilizar e garantir o abastecimento dos três Estados”, destacou Alckmin.

O governador relacionou ainda o programa de bônus para quem economizar água no Estado, que entrou numa nova fase a partir de hoje e contempla agora também quem reduz o consumo abaixo de 20%. Perguntado sobre até quando o programa irá, Alckmin respondeu: “Não tem data. Quando for o momento adequado vai ser avaliado.”