Agentes em greve pedem melhores condições de trabalho

Conforme o Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Maranhão, a greve de 24 horas foi decidida durante assembleia realizada dia 11

Brasília – A fuga de presos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, na madrugada de hoje (17), e a confusão registrada pela manhã, quando outros detentos tentaram escapar e foram contidos, coincidiu com o início de uma paralisação temporária de agentes penitenciários e vigilantes de uma empresa de segurança que trabalham em Pedrinhas.

Conforme o Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Maranhão (Sindspem), a greve de 24 horas foi decidida durante assembleia realizada dia 11. A intenção é denunciar a falta de condições de trabalho e os perigos a que estão expostos os trabalhadores do sistema prisional maranhense, que convivem diariamente com a falta de gestão, a omissão diante das frequentes rebeliões, fugas e assassinatos de presos.

“Não temos armamento digno. Também não dispomos de armamento não-letal e de coletes balísticos para proteção de agentes e presos. Como não há controle, queremos, principalmente, que a segurança nas unidades prisionais de Pedrinhas seja reforçada por policiais militares”, alertou o presidente do sindicato, Antonio Benigno Portela.

Parte dos agentes e inspetores que aderiram à paralisação estava reunida diante do complexo, quando, por volta de 9h, começou o tumulto flagrado por jornalistas locais. Presos foram filmados pulando os muros e sendo contidos por policiais.

A assessoria do governo maranhense informou que o número exato de fugitivos só será divulgado após conclusão da recontagem, que será feita assim que a situação estiver controlada. A estimativa é que pelo menos dez detentos tenham conseguido escapar por um túnel aberto a partir do Presídio São Luís I, um dos oito estabelecimentos que compõem o complexo. A direção de Pedrinhas ainda não sabe se algum interno deixou o complexo durante o tumulto da manhã.

Palco de constantes rebeliões, fugas, brigas e assassinatos de presos, Pedrinhas contabiliza, este ano, 16 detentos mortos. Além disso, a fuga dessa madrugada é a segunda em apenas uma semana. No último dia 10, 36 detentos escaparam do Centro de Detenção Provisória, depois que bandidos obrigaram o motorista de um caminhão a atirar o veículo contra o muro do complexo, abrindo um grande buraco no muro de concreto. Desses, apenas três fugitivos já foram recapturados. Durante a fuga, quatro detentos ficaram feridos.

Nessa segunda-feira (15), o diretor do Casa de Detenção, Cláudio Barcelos, foi detido preventivamente, suspeito de facilitar a fuga. Segundo a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), vinculada à Polícia Civil, ao menos dez presos podem ter pago para que o diretor da unidade os deixasse escapar. Entre eles, os assaltantes de bancos Paulo Leandro Maciel da Silva, Rodrigo Bezerra Lima Nunes e José Wilson Pereira. Ainda de acordo com a Seic, o próprio diretor já admitiu o esquema de facilitação de fugas. As autoridades maranhenses investigam a possível participação de outros servidores e funcionários.