Aeroportuários do Galeão decidem aderir à greve nacional

De acordo com o diretor do Sina, Ademir Lima Oliveira, responsável pela mobilização no estado, apenas o setor do pátio do Galeão ficou paralisado

Rio de Janeiro – Os aeroportuários que trabalham no aeroporto do Galeão decidiram em assembleia hoje (31) aderir à greve nacional a partir de amanhã (1º).

Às 6h, o grupo fará uma caminhada até a sede da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A categoria reivindica melhores condições de trabalho e reajuste salarial. Hoje (31), os trabalhadores fizeram operação padrão nos aeroportos da cidade.

De acordo com o diretor do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Ademir Lima Oliveira, responsável pela mobilização no estado, apenas o setor do pátio do Galeão ficou paralisado.

“O único setor que realmente paralisou hoje foi o pátio, onde os funcionários fazem a colocação de passarela para o embarque e desembarque de passageiros. Temos a expectativa que todos entrem em greve amanhã”, disse.

Segundo o sindicalista e técnico de informações aeronáuticas, Antônio Luiz Morgado, que trabalha no Santos Dumont, a operação padrão no aeroporto deve prosseguir. “Continuaremos participando da greve nacional por meio operações padrões, ou seja, fazer exatamente o nosso trabalho, sem nenhuma concessão para facilitar para a empresa”.

Durante o dia, a Infraero informou que as atividades nos aeroportos não foram afetadas.

Os aeroportuários reivindicam reajuste salarial acima da inflação e a manutenção de benefícios na área de saúde previstos no acordo coletivo. Em nota, a Infraero informou que respeita a manifestação dos empregados e que está negociando com o sindicato da categoria um acordo coletivo que atenda aos interesses dos funcionários e da empresa.

Por causa da greve dos aeroportuários, a Infraero acionou o plano de contigenciamento, com o remanejamento de funcionários para atuar nos horários com maior fluxo de passageiros e voos, em seis aeroportos, entre eles o Galeão (RJ).