Abstenção no Enem é a maior desde 2009; veja outros números

Dos 8.356.215 inscritos, 5.848.618 estudantes fizeram a prova neste final de semana. Maior índice de faltas foi no estado do Amazonas

Brasília – Em uma edição marcada por incertezas até o último minuto graças ao adiamento da prova em escolas ocupadas, o índice de abstenção no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano foi o maior desde 2009, de acordo com informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado ao Ministério da Educação.

Dos 8.356.215 inscritos, 5.848.619 estudantes fizeram a prova neste final de semana. A taxa de abstenção foi de 30% em 2016, 2,4 pontos porcentuais acima do registrado em 2015 (27,6%), mas dentro da média da série histórica do exame. Em 2009, o índice de faltas foi de 37,7%.

Em 2016, a maior taxa de abstenção ocorreu no estado do Amazonas (37,4%) e a menor,  no Piauí (22,7%).

Escolas ocupadas

O Enem foi realizado em 1.607 locais e não ocorreu em 405 escolas que estão ocupadas por estudantes que protestam contra a PEC do teto de gastos públicos e a proposta de reforma do ensino médio.

Por isso, 271.033 candidatos farão a prova em 3 e 4 de dezembro. Estimativas do Ministério da Educação indicam que haverá um gasto adicional de R$ 15 milhões para realizar a nova aplicação. Esse montante será somado aos R$ 788 milhões já gastos para a realização do Enem neste ano, o maior valor dos últimos cinco anos.

Eliminados

Segundo o Inep, 768 candidatos foram eliminados do Enem por irregularidades, um pouco acima do registrado no ano passado (740) e quase metade do reportado em 2014 (1519). Dos 768 eliminados, 641 descumpriram as regras gerais, como atraso e uso de caneta transparente e de tinta preta. O uso de detector de metais eliminou 120 candidatos. Outros sete estudantes foram eliminados por se recusar a fazer o teste de biometria.

Prisões

No total, 11 pessoas foram presas pela Polícia Federal em pelo menos oito estados por suspeita de fraude no exame, de acordo com o delegado Franco Perazzoni.

Reciclagem

De acordo com Maria Inês Fini, presidente do Inep, o governo reutilizará 78 toneladas de papel que deixaram de ser aproveitados neste fim de semana. A entidade ainda não sabe quanto economizará com a reciclagem.