A interminável contagem de votos pela reforma da Previdência

ÀS SETE - Nas contas governistas, são 290 votos favoráveis e o Planalto quer colocar em votação o texto na próxima semana se confirmar em torno de 320 votos

Quinta-feira é o dia que termina a semana útil no Congresso e, desta vez, o dia chega com uma amarga conclusão para o governo: a promessa feita no final de novembro de votar a PEC da reforma da Previdência em primeiro turno na primeira semana de dezembro não foi concretizada. Diversos aliados já avisavam da dificuldade e poucos acreditaram no discurso governista.

O governo tenta mostrar otimismo. No discurso, as coisas até estão funcionando. Ontem, o partido do presidente Michel Temer (PMDB) fechou questão para que todos os deputados votem pela reforma.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O PTB – de Roberto Jefferson – fez o mesmo. Tecnicamente, 76 parlamentares das duas legendas estariam obrigados a votar favoráveis.

Mas nem o vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), acredita que isso deva acontecer. Nas contas governistas, são 290 votos favoráveis e o Planalto está disposto a colocar em votação o texto na próxima semana se confirmar em torno de 320 – antes, dizia ser necessário ter 330 confirmados.

Para Ramalho, não mais que 160 deputados estariam dispostos a votar com o governo. Ele próprio, mesmo sendo do PMDB, se diz contrário.

Outros parlamentares do partido – como o catarinense Mauro Mariani – também podem ir contra a indicação da sigla. Como artifício para não serem punidos, podem faltar à sessão.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que se não houver a garantia de votos suficientes, é melhor não colocar a reforma na pauta. Até quando o governo – e o país – está disposto a esperar pela contagem de votos?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. gladson santos

    companheiro, se o governo já tem os votos vai discutir o k, esta chamando todo mundo de idiota, o défice da previdência é porque a folho fora desoneradas em 40%, para diminuir os pagamentos aos aposentados, agora falta dinheiro para quem foi desonerado, onera de novo, porque as empresas de ônibus tem de ter muito lucros, olha a burrice, o transporte individual mais bardo do que o coletivo. e a comida, o salário não dá para comer. bota a justiça do trabalho e a previdência, regidos pela clt e prvidencia social. o médico tem de tomar o remedio que receita….