À CPI, Mantega nega tráfico de influência para compra de MPs

Ex-ministro da Fazenda disse que medidas provisórias não são alvo de tráfico de influência e negou ter participado de esquema investigado pela PF

Brasília – Na primeira vez em que falou publicamente desde que deixou o governo, no fim do ano passado, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega disse nesta terça-feira, 27, em depoimento à CPI do BNDES, na Câmara dos Deputados, que medidas provisórias não são alvo de tráfico de influência e negou qualquer participação em esquema de compra de MPs investigado pela Polícia Federal.

“Não acredito que houve qualquer beneficiamento a qualquer setor nessas MPs. MPs são feitas de forma técnica e isenta. Não há qualquer participação nossa nessa história”, afirmou.

“Nos pautamos para que não haja tráfico de influência de qualquer natureza, não seria admissível e devemos aguardar investigações”.

Pedaladas

Questionado sobre os atrasos de repasses de recursos do Tesouro para o BNDES para cobrir os subsídios da União nos empréstimos do banco, Mantega disse que o banco não teve nenhum prejuízo.

“O BNDES não tem nenhuma perda, para cada dia de atraso existe uma remuneração”, afirmou.

O ex-ministro disse ainda concordar com o posicionamento do atual titular da Fazenda, Joaquim Levy, de que é preciso fazer ajuste fiscal neste momento, como foi necessário em 1999 e 2002.

“A diferença é que temos condições melhores agora, reserva, mercado interno, menor nível de desemprego”, afirmou.

Mantega defendeu a política econômica desenvolvimentista adotada em sua gestão no governo, mas disse que reconhece os problemas enfrentados pela economia atualmente.

“Todos reconhecemos problemas, tivemos seca, queda nas commodities e instabilidade política que atrapalha economia”, acrescentou.

‘Período bom’

Em tom de brincadeira, o ex-ministro disse que deveria ter deixado o posto antes. “Deveria ter saído no período bom, e não ter ficado para o período de acomodação de crise. É inevitável na economia capitalista”, afirmou.

À CPI, Mantega rebateu a fala de um dos deputados e disse que não foi demitido pela presidente Dilma Rousseff.

“Vinha me preparando para sair do governo, fui o ministro mais longevo e tinha sério problema com a família. Já tinha dito que não continuaria se ela fosse reeleita”, afirmou.

Em relação às projeções feitas durante o período eleitoral, que não se concretizaram, Mantega disse que houve engano de todo mundo.

“A previsão do Focus para 2014 era de crescimento de mais de 1%. O mercado se enganou, nós enganamos. O ministro Levy achou que em seis meses ia fazer o ajuste. A gente se equivoca, não houve má fé, mas houve equívoco de todos”, admitiu.

Ele disse ainda que foi necessário aumentar a tarifa de energia elétrica, porque houve o “azar de uma seca terrível”, como também teve o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 2001.

“A presidente fez uma aposta em 2013, era unânime que era necessário reduzir as tarifas. Foi um azar”, completou.

Mantega admitiu que a economia brasileira passa por sérios problemas, mas que existem vantagens que “não vão se dispersar”, como as reservas internacionais e o mercado interno forte.

“Tem que retomar o crescimento, tem que voltar a ter crédito, só estou dando umas pistas porque não quero que digam que estou polemizando com o ministro Levy. Seria uma ofensa à equipe que está aí, que eu respeito”, ressaltou.