7 vezes em que gays e mulheres foram alvo de Bolsonaro

O deputado, que é conhecido por fazer pronunciamentos polêmicos na Câmara, já atacou até Dilma Rousseff e Preta Gil. Veja vídeos de outras polêmicas em que o deputado se envolveu

São Paulo – O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) é conhecido tanto pelas ideias conservadoras que defende com veemência, como pelas falas polêmicas e discussões em que se envolve. 

Bolsonaro está na Câmara desde 1991. Neste ano foi reeleito para seu sexto mandato como deputado federal mais votado no Rio de Janeiro e o 3º mais votado do Brasil. 

Nesta semana, ele voltou ao centro das atenções. Em fala no plenário da Câmara, Bolsonaro disse à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que não a estupraria “porque ela não merece”.

Na noite desta quarta-feira, PT, PCdoB, PSOL e PSB entraram com uma representação contra o deputado no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara.

Essa foi a segunda vez que o deputado disse isso para a petista. A primeira, há onze anos, aconteceu em frente às câmeras da Rede TV.  

Maria do Rosário não foi a única a se envolver em uma confusão com Bolsonaro. O deputado já atacou a deputada Benedita da Silva (PT), a ministra Eleonora Menicucci (PT-MG) e até a presidente Dilma Rousseff – em discurso na tribuna, Bolsonaro sugeriu que a presidente seria homossexual. 

Veja nos vídeos abaixo algumas das polêmicas em que o deputado se envolveu:

Bolsonaro x Benedita da Silva (PT-RJ)

//www.youtube.com/embed/vk1RuisbgVY?rel=0

Em fevereiro deste ano, após a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) fazer um discurso no plenário criticando os cidadãos que lincharam um menor que havia praticado pequenos furtos no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse que Benedita deveria adotar o infrator para provar a todos que tem “um grande coração”.

Depois, ainda disse que daria o endereço da deputada ao menor para que ele fosse praticar furtos na rua dela. 

Bolsonaro x Preta Gil

//www.youtube.com/embed/lkZv3iyZdkA?rel=0

Em 2011, a cantora Preta Gil, filha de Gilberto Gil, participou de um quadro do programa do CQC em que enviou uma pergunta ao deputado Jair Bolsonaro. No vídeo (a partir do minuto 2:18), Preta pergunta: “o que você faria se seu filho se apaixonasse por uma negra?”. 

Bolsonaro respondeu: “Preta, eu não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”.

Bolsonaro x Dilma Rousseff

//www.youtube.com/embed/aIWDygh72VE?rel=0

Em 2011, quando criticava o “kit gay”, Bolsonaro voltou seu discurso à presidente Dilma Rousseff. 

“Dilma Rousseff, pare de mentir. Se gosta de homossexual, assuma. Se o teu negócio é o amor com homossexual, assuma, mas nao deixe que essa covardia entre nas escolas de 1º grau”, disse na tribuna.

Bolsonaro x Maria do Rosário (PT-RS) – parte 1

//www.youtube.com/embed/atKHN_irOsQ?rel=0

Em 2008, durante uma entrevista a um jornal da Rede TV, Bolsonaro e Maria do Rosário se desentenderam na frente das câmeras. Bolsonaro diz que Maria do Rosário o chamou de estuprador e afirma, pela primeira vez, que ele não a estupraria porque ela não merecia. Indignada, a deputada se aproxima dele, que a empurra e a chama de vagabunda.

Bolsonaro x Maria do Rosário (PT-RS) – parte 2

//www.youtube.com/embed/5bquCfAxMDg?rel=0

Nesta terça-feira, ocorreu mais um capítulo da briga entre os dois. Após a deputada subir à tribuna para comemorar o Dia Internacional dos Direitos Humanos e a entrega do relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV), Bolsonaro dirigiu seu discurso a ela. 

Há poucos dias tu me chamou de estuprador, e eu falei que não a estupraria porque você não merece, disse Bolsonaro se referendo à discussão de 2003. O deputado ainda chamou Rosário de mentirosa, descarada e covarde, e a criticou por ter saído do plenário no momento em que ele iria tomar a palavra.

Bolsonaro x Eleonora Menicucci (PT – MG)

//www.youtube.com/embed/Do6nXV59ZzE?rel=0

Em março de 2013, em sessão no plenário da Câmara, Bolsonaro chamou Eleonora Menicucci (PT-MG), que havia sido indicada pela presidente Dilma Rousseff para assumir a Secretaria de Políticas para Mulheres, de “sapatona”.

“Dilma Rousseff não tem compromisso com a família, se tivesse não teria indicado Eleonora Menicucci para ministra das Mulheres, onde ela declara no Correio Brasiliense que continua tendo relações com homens e mulheres. Ou seja, no linguajar popular, sapatona. E diz que o maior orgulho dela é a filha que é gay”, declarou o deputado. 

Bolsonaro x PSOL

//www.youtube.com/embed/fY8h6DWYeGE?rel=0

Em 2011, após o PSOL entrar com uma representação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Bolsonaro disse que o partido era um partido de “pirocas” e disse que era “coisa de veados o que eles estavam fazendo”. “Ninguém gosta de homossexual, a gente suporta”, disse ainda.