7 livros para pensar a política antes das eleições

Obras que irão te ajudar a refletir sobre as dificuldades e soluções específicas do contexto brasileiro para o exercício da cidadania

São Paulo — Faltam apenas quatro meses para a eleição, e os eleitores começam a enfrentar o dilema de escolher entre os projetos de governo, partidos e candidatos que serão os melhores representantes das suas próprias ideias.

Para ajudar nesse processo, EXAME separou uma lista com sete sugestões de livros que abordam o processo eleitoral brasileiro, o propósito da política e análises sobre o contexto político-partidário desde a redemocratização.

A boa política: ensaios sobre a democracia na era da internet, de Renato Janine Ribeiro

A boa política, de Renato Janine Ribeiro

(Companhia das Letras, 336 páginas, R$ 49,90)

Nesta reunião de artigos, escritos ao longo de vinte anos, Janine Ribeiro debate o valor ético e político da internet e as transformações que ela trouxe para o ambiente de debate intelectual. Ao longo dos ensaios, ele debate temas como representação, voto obrigatório, corrupção, impeachment e protestos. Assim, busca trazer uma receita para que a reflexão política, aquela que é levada a cabo no espaço universitário, ajude a corrigir os rumos da política real. O autor é ex-ministro da Educação e professor na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

O lulismo em crise, de André Singer

O lulismo em crise, de André Singer

(Companhia das Letras, 392 páginas, R$ 54,90)

Depois de marcar época com “Os sentidos do Lulismo”, Andre Singer dá prosseguimento às suas reflexões sobre os 13 anos de governo do PT com “O fim do lulismo”, no qual aborda a era Dilma até o impeachment, em 2016. Para isso, oferece uma abordagem original sobre a interpretação do sistema político-partidário brasileiro, que ajudam a explicar o que “deu errado” entre o presidente com a maior aprovação popular da história, Lula, e o impeachment de sua sucessora. O livro apareceu entre os mais vendidos da Amazon na categoria de política.

Os limites da política: uma divergência, de José Arthur Giannotti e Luiz Damon Santos Moutinho

Os limites da política, de José Arthur Gianotti

(Companhia das Letras, 168 páginas, R$ 44,90)

Em 2014, Gianotti publicou um ensaio no qual refletia sobre o lugar da política nas modernas sociedades capitalistas. Em seu texto, o filósofo tecia hipóteses sobre o lugar da democracia, que tem por base a condição de igualdade entre os homens, e o sistema capitalista, que gera desigualdades. Luiz Damon Santos Moutinho, também filósofo, aceitou a provocação e escreveu um artigo questionando as bases do ensaio de Gianotti. A resposta gerou uma tréplica; e o resultado do debate é este livro, que reúne o diálogo entre os dois pensadores, ajudando a refletir sobre o papel da política e seus efeitos em nossas vidas.

Eleições no Brasil: Do Império aos Dias Atuais, de Jairo Nicolau

Eleições no Brasil, de Jairo Nicolau

(Zahar, 183 páginas, R$ 39,90)

Um amplo registro histórico contando a trajetória da democracia brasileira, desde o Império. O cientista social e uma das maiores autoridades brasileiras sobre o assunto responde, para cada período histórico brasileiro, a questões essenciais, como “quem podia votar?”, “que cargos eram disputados?” e “havia fraudes?”. Dessa forma, o leitor adquire um panorama histórico sobre a história política do Brasil, e ganha mais subsídios para contextualizar o momento contemporâneo.

Coronelismo, Enxada e Voto: O Município e o Regime Representativo na Brasil, de Victor Nunes Leal

Coronelismo enxada e voto, de Victor Nunes Leal

(Companhia das Letras, 368 páginas, R$ 57,90)

Este livro foi escrito na década de 1930, quando o Brasil ainda era um país majoritariamente agrário. Mesmo assim, ainda explica muito sobre nossa formação política, usando dados estatísticos (uma novidade nas pesquisas da época), registros históricos e documentação legal. Nunes Leal, que foi ministro do STF durante a ditadura, desvenda nesta obra as origens do coronelismo e do fenômeno do “voto de cabresto”, que, apesar de não ser mais  uma prática majoritária, deixou marcas sobre a forma de condução da política brasileira até hoje.

Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma, de Marcos Nobre

Imobilismo em movimento, de Marcos Nobre

(Companhia das Letras, 208 páginas, R$ 44,90)

Neste livro, que já é um clássico da ciência política, Marcos Nobre analisa o “peemedebismo” brasileiro desde a redemocratização. O cientista político expõe a forma pela qual o fisiologismo do PMDB (ou MDB, como na época da ditadura e atualmente) moldou o nosso processo político desde o fim da ditadura e a redemocratização. Para o autor, a prevalência da forma de governo representada pelo partido, de se aliar com quem oferece mais vantagens, representa uma trava para o avanço e a transformação da política brasileira.

Emoções ocultas e estratégias eleitorais, de Antonio Lavareda

Emoções ocultas e estratégias eleitorais, de Antonio Lavareda

(Objetiva, 333 páginas, R$ 37,90)

O autor deste livro participou de 76 campanhas eleitorais antes de escrevê-lo, três delas presidenciais. E, nessa obra, analisa as estratégias dos candidatos bem-sucedidos, apresentando as técnicas de marketing utilizadas, os mecanismos das pesquisas de opinião e se debruçando sobre as alianças políticas. A ideia é democratizar o conhecimento sobre os processos eleitorais, mostrando o caminho das pedras para quem trabalha com o marketing político mas também conscientizando o eleitor sobre as estratégias que estão sendo usadas para a obtenção do seu voto.