4 mi para Cunha; Cassação de Delcídio…

Juntos no crime?

O lobista Fernando Soares, o Baiano, preso na Lava-Jato e que já fez uma delação premiada, disse nesta terça-feira que esteve pessoalmente com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, “mais de dez vezes”. Os encontros se deram no gabinete do parlamentar, sua casa e o escritório político no Rio. Baiano foi ouvido pelo Conselho de Ética da Casa no processo de cassação de Cunha. Segundo o lobista, ele pediu ajuda ao peemedebista para cobrar propinas atrasadas de outro lobista, Júlio Camargo. Baiano disse desconhecer a existência de contas do deputado na Suíça.

Cronograma fechado no Senado

No Senado, o presidente da Comissão Especial do Impeachment, Raimundo Lira, confirmou que o parecer do relator Antonio Anastasia será votado pelos membros da comissão no dia 6 de maio. Tanto Lira quanto Anastasia foram eleitos nesta terça-feira para os cargos. A comissão funcionará de segunda a sexta-feira. Na quinta-feira 28, os denunciantes, os juristas Janaína Paschoal, Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo, serão ouvidos. No dia seguinte, será a vez do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que defenderá a presidente Dilma Rousseff.

Cassação à vista

O senador Delcídio do Amaral não compareceu pela quarta vez para depor no Conselho de Ética do Senado. O objetivo da sessão era que ele esclarecesse as acusações de seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras e de obstrução das investigações da Lava-Jato. Com a nova ausência, os integrantes do Conselho decidiram encerrar a fase de produção de provas e agendar para a próxima semana a votação do parecer final sobre a cassação de Delcídio. Antes de ir ao Plenário, o relatório passará pela Comissão de Constituição e Justiça, que avaliará sua legalidade.

Odebrecht segue preso

O Supremo Tribunal Federal libertou Márcio Faria da Silva e Rogério Araújo, ex-executivos da empreiteira Odebrecht que estavam presos há mais de dez meses. Marcelo Odebrecht, porém, continua preso porque os ministros consideraram que ele pode interferir no andamento das investigações da Lava-Jato.

Golpe de um lado…

A presidente Dilma Rousseff voltou a tratar o processo de impeachment contra seu mandato como um golpe. Em Salvador, disse que se trata de uma “tentativa de eleição indireta” e que “querem sentar na minha cadeira sem voto”. Atacou um possível governo do vice-presidente Michel Temer afirmando que ele cortará programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida.

…golpe do outro

Temer reagiu à ideia de antecipar as eleições presidenciais para outubro e classificou a hipótese de “golpe”. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Temer disse que, nos Estados Unidos, “as pessoas ficariam coradas” com essa proposta, que não está na Constituição. Em encontro com dirigentes sindicais, Temer discutiu possíveis reformas estabelecidas no documento Uma Ponte para o Futuro, um guia econômico do PMDB.

MST nas ruas contra o impeachment

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) começa nesta terça-feira a realizar atos contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff em seis estados. A agenda vai até o próximo domingo, 1o de maio, e prevê bloqueio de rodovias e invasão de terras. De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, lideranças alegam que a mobilização faz parte da jornada de lutas do movimento pela reforma agrária e em defesa da democracia.