240 mil eleitores vão às urnas em Petrópolis

Na segunda-feira (15) o segundo turno ocorreria entre Rossi e Paulo Mustrangi (PT), terceiro colocado no pleito, de acordo com decisão do TRE do RJ

Rio de Janeiro – Com dois cenários de segundo turno divulgados esta semana, o município de Petrópolis, na região serrana do Rio, teve definida ontem (18) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a disputa, no segundo turno, entre os candidatos a prefeito Bernardo Rossi (PMDB) e Rubens Bomtempo (PSB).

Na segunda-feira (15) o segundo turno ocorreria entre Rossi e Paulo Mustrangi (PT), terceiro colocado no pleito, de acordo com decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O candidato teve suas contas na administração da prefeitura, no período de 2001 a 2008, rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Rio de Janeiro por não ter recolhido valores devidos ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Segundo a Lei da Ficha Limpa, ficam inelegíveis para qualquer cargo quem tiver as contas rejeitadas por improbidade administrativa.

Dois dias depois, (17), uma liminar do TSE colocou Bomtempo novamente na disputa pelo Executivo local, e a confirmação veio em votação realizada na noite de ontem (18), quando o tribunal decidiu, por 6 votos a 1, a favor do recurso do candidato do PSB. Em nota em seu site, o candidato informou iria retomar hoje “a discussão do projeto de desenvolvimento” para Petrópolis.

A cidade teve um primeiro turno disputado, em que Rossi teve 52.951 votos, seguido por Bomtempo, com 50.320 votos, e o atual prefeito, Mustrangi, com 45.060 votos. No âmbito federal os dois partidos – PT e PMDB – compõem o governo, sendo o PSB da base aliada. Durante o primeiro turno, a assessoria da Polícia Militar informou a detenção de 52 pessoas por boca de urna.


Na câmara municipal, as 15 cadeiras ficaram divididas entre as coligações dos três candidatos, tendo a coligação de Rossi oito vereadores eleitos, a de Bomtempo seis e a de Mustrangi três representantes. A assessoria de Mustrangi não confirmou decisão pelo apoio a qualquer dos candidatos na disputa, bem como a tendência de oposição ou apoio no Legislativo municipal.

Bernardo Rossi, 32 anos, é deputado estadual desde 2010 e suplente no Conselho Fiscal de seu partido no estado. Sua coligação, encabeçada pelo PMDB, reúne PRB, PP, PTB, PSL, PSC, PPS, PRTB, PSDB e PSD. O candidato foi procurado pela reportagem, mas não houve retornou o contato até o fechamento da reportagem. Rubens Bomtempo, 50 anos, além de ex-prefeito tem cargo na executiva estadual de seu partido.

Petrópolis é o município mais populoso da região serrana, com 296 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e 241.400 eleitores. Em janeiro de 2011, foi vítima de um forte temporal, que atingiu ainda os municípios vizinhos de Teresópolis e Nova Friburgo, causando enchentes e deslizamentos de terra, matando quase mil pessoas e deixando cerca de 400 desaparecidos.

Sua economia é baseada no setor de serviços, que concentra 65% do Produto Interno Bruto (PIB). A indústria responde por 25% da economia municipal. Em 2009, o PIB de Petrópolis era R$ 5,8 bilhões e o PIB por habitante, R$ 18,5 mil.