Porque está tão difícil engajar os jovens?

Engajamento está na pauta de prioridades dos gestores. O grande desafio é conquistar o comprometimento profissional das novas gerações de profissionais

Não há dúvidas que a palavra “engajamento” está na pauta de prioridades de 10 entre 10 gestores. O grande desafio tem sido conquistar o comprometimento profissional, principalmente das novas gerações de profissionais – A geração Y e Z – conhecidos como os jovens “millennials”.

Há muita especulação e estereótipos que tentam explicar esse comportamento. Como fato concreto, temos apenas a constatação de que a relação do jovem com o trabalho é absolutamente diferente dos referenciais passados e precisa incluir fatores abstratos como Felicidade, Equilíbrio de Vida e Propósito, tornando o desafio de engajamento quase que um exercício de singularidade, afinal cada um tem a própria individualidade e manifesta motivação apenas para os próprios interesses.

O momento atual do Brasil torna a questão do engajamento, um fator ainda mais complexo e traz para o debate a necessidade da participação dos jovens nas eleições, uma vez que a omissão de um posicionamento político-social afeta completamente o resultado de um pleito eleitoral. O mais recente exemplo aconteceu com os resultados da última eleição para prefeito, onde diversos candidatos alcançaram o cargo majoritário com votações inferiores ao de votos Brancos e nulos.

Entretanto, pelo menos na questão político-social, o debate sobre engajamento dos jovens está sendo levado a sério e existem iniciativas que respeitam a nova realidade de comunicação colaborativa através das redes sociais. Exemplo disso é protagonizado pelo professor e escritor José Vasconcelos, que no alto dos seus 80 anos de idade tem feito um trabalho consistente para abrir a consciência da população brasileira através do seu livro “Democracia Pura”. Ele iniciou um debate nas redes sociais, convocando os jovens a se engajarem do pensamento democrático, criando inclusive o Movimento Democracia Pura  onde desenvolveu um sistema que possibilita o jovem se manifestar e participar diretamente das decisões nacionais.

Esta é uma iniciativa com enormes possibilidades de engajar o jovem a protagonizar uma real influência em questões que irão definir o Brasil em que ele irá viver pelos próximos anos, contudo ainda fica uma questão fundamental que é o efetivo envolvimento prático.

Esta é uma questão que só pode ser modelada através do exemplo. E isso significa que o engajamento do jovem está completamente conectado ao tipo de engajamento que indivíduos mais veteranos serão capazes de demonstrar, pois já é conhecido todo potencial da “geração millennials”.

O que precisamos agora é, como veteranos, dar o exemplo e dar espaço para eles construírem o Brasil que todos queremos.

Ao jovem “Millennials” fica o convite para de fato, entrar no jogo e jogar, mesmo que o cenário não esteja favorável, pois será ele que definirá qual cenário irá querer vencer o próprio jogo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s