Bolsonaro não precisa ser expert para ser político

Como quase tudo em política, não há resposta definitiva. Mas creio que a importância de “candidatos-experts” seja superestimada

“Tenho vários ‘Postos Ipiranga’”, disse o pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL) no Roda Viva, da TV Cultura, ontem à noite. Citou o economista Paulo Guedes e um general como seus guias. Guedes é o principal. Apesar de ter proposto algumas ideias bisonhas – como uma espécie de segundo sistema trabalhista, com menos direitos –, o economista tem mais conhecimento sobre políticas públicas do que o deputado. A pergunta importante é: políticos precisam entender profundamente de políticas públicas? Ou basta confiar em especialistas e focar em atrair partidos políticos para suas propostas? Como quase tudo em política, não há resposta definitiva. Mas creio que a importância de “candidatos-experts” seja superestimada.

Bill Clinton é um bom exemplo. O economista Larry Summers, ministro da Fazenda de Clinton de 1999 a 2001, disse que era comum o presidente citar reportagens da edição asiática da revista The Economist. Clinton era um “policy wonk”, um tarado pela minúcia das políticas públicas. Mas seu segundo mandato, de 1997 A 2000, foi quase completamente tomado pela polemica com a estagiária Monica Lewinsky e seu vestido manchado – “the human stain”, para usar a expressão do escritor Philip Roth. Clinton é um político genial que se atrapalhou à toa.

Outro exemplo, este um pouco pior, é o de Dilma Rousseff (PT). Sua arrogância é notória. A ex-presidente pensa que sabe muito mais sobre políticas públicas do que de fato entende. Idealizadora do Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC) iniciado em 2007, Dilma não soube antecipar consequências óbvias de um amplo programa de infraestrutura cheio de atividades corruptas. A dívida pública foi de 50% do PIB para 67% entre 2011 e 2016. O uso político indiscriminado dos empréstimos do BNDES resultou, junto com outros fatores, na pior recessão da história do país. Pior do que um político ignorante é um que se acha expert e não ouve economistas com o mínimo de boas publicações acadêmicas.

Ignorar experts é característica de candidatos populistas, afirma o cientista político Jan-Werner Müller em seu ótimo livro “What is Populism?”, publicado em 2016. Populistas também costumam criticar algum tipo de “elite” (real ou inventada) e deslegitimam seus oponentes políticos. Ao dizer no Roda Viva que desde já as eleições estão “sob suspeição”, o candidato do PSL flerta com essa deslegitimação do próprio processo. Sinal de que não acredita tanto assim em suas chances de vitória. Mas ele tem sido mais responsável do que populista ao dizer que confia em especialistas. O problema é que nem sempre os experts são competentes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Renato Allan

    O presidente mando ou expert buscar um coelho. O expert, um pouco preguiço, trouxe uma lebre. O presidente não sabia nada de coelho e não sabia nada de lebre, então ficou por isso mesmo. Jabuticaba e Uva serviria também.

  2. Edson Issao Atakiama

    É óbvio que o presidente não conseguirá ser um expert em tudo. Na verdade ele tem que ser um generalista e ter um mínimo de noção para avaliar se os tais experts estão falando coisas coerentes.
    Por isso um faxineiro (com todo respeito à profissão) dificilmente será presidentes de uma empresa. Ele não tem capacidade para tanto.
    E eu vejo que as ideias do Bolsonaro são simplistas demais. Coisas que qualquer pessoa na rua fala em fazer sem saber como. Talvez seja por isso que ele ganhou muitos seguidores.

  3. Não seria demais lembrar que Dilma é formada em economia e, pretensamente, mestre e doutora no assunto (segundo o lattes da impichada), e mesmo assim afundou o país.
    Sem staff, camarada, nenhum especialista vence.
    Vamos torcer para que o próximo ministro da economia tenha o quilate de um Paulo Guedes para apoiá-lo.