Antes do IPO, Stone precisa arrumar a casa

A empresa é descrita por funcionários e ex-funcionários como “uma verdadeira bagunça”

Como se tornou público nesta sexta-feira, a processadora de pagamentos com cartões Stone se prepara para uma oferta inicial de ações (IPO) em Nova York ainda este ano. Para chegar lá, entretanto, precisa resolver problemas de gestão e organização. Com um crescimento acelerado nos últimos anos, a empresa é descrita por funcionários e ex-funcionários como “uma verdadeira bagunça”. O faturamento da controladora foi de 55,52 milhões de reais em 2016, quase cinco vezes maior que o do ano anterior. O prejuízo em 2016 foi de 6,54 milhões de reais.

Segundo funcionários, é comum a empresa ter de lidar com transações feitas para contas erradas, já que o processo de transferência para a conta de clientes é manual. Entre os problemas mais recentes, em outubro uma falha deixou o sistema da empresa fora do ar por algumas horas. Como resultado, a empresa demitiu cerca de 50 funcionários da área de tecnologia no começo de novembro. “Fui demitido sem nunca ter recebido um feedback de que meu trabalho não estava bom”, diz um ex-funcionário. Ex-funcionários reclamam ainda da carga de trabalho, da pressão e dos baixos salários em comparação a outras empresas do mesmo segmento.

Procurada, a empresa afirma que “todo o mercado de adquirência passou por uma mudança para se adequar as novas normas do Banco Central, que envolviam fazer pagamentos através da CIP – Câmara interbancária de pagamentos. Todos os players de adquirência e todos os bancos tiveram que se adequar, e isto promoveu algumas falhas de operação de todos os lados que acabaram prejudicando os lojistas”. A Stone afirma que os desligamentos aconteceram, mas não tiveram a ver com falhas de pagamentos e sim com uma área que foi reestruturada. Quanto aos pagamentos manuais, a companhia afirma que são feitos em última instância, quando é preciso fazer ajustes por falhas no processamento dos bancos. Quanto a reclamação de trabalhadores a empresa afirma que cumpre “toda a legislação trabalhista e temos diversos canais internos para as pessoas se expressarem e denunciarem qualquer problema interno.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Alessander Goulart

    A empresa não é ruim… e sim líderes específicos como o ex-líder da Área de estrutura ( e seus pupilos específicos ), a pressão é surreal claro, mas esse mercado é assim.

    Agora, uma regra HORROROSA é que a cada avaliação uma pessoa de cada equipe tem que ser demitida para que TODOS entendam que seus empregos não estão garantidos.

    Quanto às demissões, uma outra regra é que se algo sai de errado em uma determinada equipe, alguém terá que ser culpado e demitido pra mostrar que as equipes não tem o direito a errar.

    E claro, cresceu sem organização e de forma muito rápida, sem dar ouvido aos mais experientes, não cumprindo metas básicas, sem gestão em um monte de coisas, e jogando dinheiro ao vento sem controle.

    Enfim… gosto da empresa, mas as pessoas fazem dela um péssimo lugar pra se trabalhar.

    1. Anatiele Costa

      Nossa… que triste isso.. e vc sabe dizer qual a faixa salarial área comercial e benefícios que empresa oferece? Qual sua região?