Psicologia Positiva – conheça a ciência que busca a felicidade!

O que é Psicologia Positiva?! Aqui vai uma entrevista exclusiva com o executivo Claudemir Oliveira do Seeds of Dreams Institue, um dos grandes estudiosos...

Tem gente que ao falar nos paralisa; o olhar, a força, a expressão e a segurança naquilo que dizem faz toda a diferença. Conheci Claudemir Oliveira há uns 2 anos em um evento que estava apresentando, e acabei sendo um dos mais de 300 expectadores que assistiram vidrados sua palestra sobre Psicologia Positiva. Alguns anos se passaram e  fiz questão de manter o contato com esse baita profissional que mais do que motivar, sabe inspirar.

De office-boy à alto executivo do Walt Disney Company, Claudemir Oliveira tem uma história interessante e um ponto de vista sobre a vida que com certeza vai inspirar também muitos de vocês leitores. Em sua longa trajetória no Brasil e no exterior passou por várias empresas como American Airlines e United Airlines, foi professor da Walt Disney University e ainda autor do premiado filme “Once Not Far From Home”. Em 2006 resolveu se empreender fundando o Seeds of Dreams Institute em Orlando, empresa voltada para a área de Psicologia Positiva e desenvolvimento humano, onde vem trabalhando fortemente com desenvolvimento de pessoas nas corporações. Entre suas palestras, artigos publicados pelo mundo e também seu doutorado que está na reta final, ainda encontra tempo para difundir a Psicologia Positiva através de seminários online e em breve fará seu evento inaugural batizado de DISNEYLOGIA MASTER – “Liderança em Gestão de Pessoas e Transcendência em Serviços”, nada mais nada menos do que 7 dias de imersão na Psicologia Positiva e na magia dos negócios dentro do complexo Disney.

Mas afinal, o que é Psicologia Positiva ?! É isso que estamos trazendo com exclusividade para vocês leitores da Você S/A depois de um gostoso bate papo que tivemos com Claudemir:

-Em poucas palavras, como você definiria a Psicologia Positiva e como nasceu sua relação com essa ciência?

A Psicologia Positiva é uma nova ciência que busca as potencialidades humanas em detrimento da psicologia tradicional e seu foco no negativo. Foi fundada por Martin Seligman nos finais dos anos 90 enquanto ele era presidente da Associação Americana de Psicologia. Desde criança, sempre busquei o lado bom do ser humano. Mesmo nos meus erros, sempre buscava forças nas coisas boas que tinha. Ou seja, eu buscava nos meus pontos fortes o remédio para ajudar nos meus pontos fracos. Também, sempre percebi que as pessoas focam no negativo em praticamente todas as situações.

-Qual a principal diferença entre a psicologia tradicional e a Psicologia Positiva?

A psicologia tradicional por décadas e décadas focou no negativo, nas fragilidades humanas. Ela tem seu mérito, pois foi através deste foco nas doenças que ela descobriu remédios fantásticos contra depressão, ansiedade, etc. Então, é importante que saibamos reconhecer esta evolução. No entanto, a Psicologia Positiva acredita que simplesmente tirar alguém da depressão não significa necessariamente felicidade. Aí entra esta nova ciência que tem ferramentas importantes no processo de levar a pessoa a um estado de felicidade. Importante salientar que a felicidade é uma busca, a pessoa precisa trabalhar para conquistá-la. Em resumo, a psicologia tradicional trouxe o cliente do ponto A (depressão) para o ponto B (não depressão). A Psicologia Positiva quer levar este cliente ao ponto C (felicidade).

-Você usa os conceitos em sua própria vida? O que isso mudou na sua maneira de encarará-la?

Sim. Na verdade, bem mesmo antes dos anos 90, eu já a utilizava sem saber que viria a ser chamada Psicologia Positiva. Um exemplo básico da minha vida que prova meu foco no positivo aconteceu quando era office-boy nas ruas de São Paulo. Em vez de focar no trânsito, eu comecei a estudar durante todo aquele tempo que teoricamente seria perdido. No meio do “caos” paulistano, eu me preparava para minhas aulas de línguas que aconteciam nos sábados e domingos.

Estas atitudes ampliaram meu horizonte em busca de meus sonhos. Ao não focar no negativo, eu acabava gerando energia positiva que me dava mais fôlego para seguir em frente. Ao encarar algumas adversidades como combustível para o meu futuro, eu consegui chegar mais longe e de forma mais rápida. Na vida, precisamos dar significado ao que acontece conosco. Somos construtores, arquitetos de nosso destino e a peça principal deste quebra-cabeça se chama mente. Ela dá os comandos para os fracos e os fortes, para os vencedores e para os perdedores. O que você projetar na sua mente, esteja certo que pode acontecer!

-Sua carreira sempre esteve ligada de alguma forma à positividade: seu trabalho junto ao grupo Disney, sua empresa Seeds of Dreams, filmes e artigos que escreveu, milhares de pessoas que treinou e agora a Psicologia Positiva. Foi você quem buscou esse caminho ou foi ele que te abraçou?

Eu sou apaixonado pela Psicologia Positiva exatamente porque quando a descobri no final dos anos 90, eu percebi que tudo o que fazia, tudo o que me levou ao sucesso era baseado exatamente em alguns princípios desta ciência. Aí, eu simplesmente me aprofundei ainda mais na área fazendo um mestrado e quase terminando um doutorado com foco na Psicologia Positiva.

-O que pra você é motivação?

Motivação é um estado subjetivo, ou seja, depende de cada um. Ninguém motiva ninguém. Na verdade, o que fazemos é ajudar alguém a descobrir algo que ela já tem. Só isso. Mas nem sempre temos sucesso. Sempre digo que você pode levar um cavalo até o poço, mas você não tem como forçá-lo a beber água. O mesmo acontece com as pessoas. Você pode ajudar até um certo ponto, mas a partir daí, ele ou ela precisa fazer sua parte.

-Qual é a relação entre a Psicologia Positiva e motivação?

A Psicologia Positiva acaba gerando a motivação das pessoas. Ou seja, esta nova ciência tem o poder de ajudar as pessoas a se auto-descobrirem. Imagine a seguinte cena. A pessoa está desmotivada. Ao começar a praticar a Psicologia Positiva ela começa a enxergar potencialidades que até então pareciam inexistentes. Elas sempre estiveram lá, apenas precisavam ser acordadas e a Psicologia Positiva pode acabar sendo um belo despertador!

-A gente não podia deixar de perguntar “o que te motiva?” e como você mantém sua motivação em alta?

Muito simples: gratidão e doação me mantém motivado. Gratidão e doação é o melhor combustível que temos para estarmos felizes. Eu criei uma terapia aqui nos EUA onde o foco dela é que a pessoa faz trabalho voluntário e os resultados são extraordinários. A velha frase que diz que “é dando que se recebe” nunca fez tanto sentido na minha vida e na das pessoas. E veja que não estou usando “achismo” nisto. Estou falando de ciência, estou falando de pesquisas rigorosas que provam tudo isto e feitas por universidades de peso como Harvard e Pennsylvania University.

-Espaço livre para falar com os leitores da Você s/a: 

Minha sugestão para as pessoas serem mais motivadas, e como consequência, serem mais felizes é que devem ser menos egoístas e se entregarem mais. Precisamos sair do nosso mundo egocêntrico e entender que não estamos sozinhos. Outro dia li uma linda mensagem sobre uma pessoa que buscou Budha para melhorar seu estado espiritual e de cara disse: “eu quero felicidade”. A resposta foi simples e direta. Primeiro, você tira o “EU” da frase, pois ela é egoísta. Segundo, tira a palavra “QUERO”, pois é um desejo e aí você tem a FELICIDADE.

Se você gostou desse post, leia também:

-Existe diferença entre felicidade e alegria?

-E quem não quer ser feliz?

-O que vale mais: fazer o que ama ou amar o que faz?

Por Luah Galvão

Novo-Logo-Walk-and-Talk-Horizontal-2

Idealizadores do Walk and Talk, Luah Galvão e Danilo España, realizaram 3 projetos. O primeiro foi uma Volta ao Mundo por mais de 2 anos em que visitaram 28 países nos 5 continentes – para entender o que Motiva pessoas das mais variadas raças, credos e culturas. O segundo foi caminhar os 800 km do Caminho de Compostela na Espanha, entrevistando peregrinos sobre o sentido da Superação. E recentemente voltaram da Expedição Perú, onde o sentido da resiliência foi a grande busca do casal. Agora que estão de volta ao Brasil compartilham suas descobertas através de textos e histórias inspiradoras para esse e outros veículos de relevância, assim como em palestras e workshops por todo o Brasil.
Descubra mais sobre o projeto: www.walkandtalk.com.br. Conheça também a página no Facebook.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s