Insights sobre Motivação e Carreira

Saiba mais sobre os temas Motivação X Carreira através de uma entrevista onde Luah Galvão e Danilo España contam sobre sua pesquisa ao redor do mundo.

Não sei se todos os nossos leitores sabem, mas nossa parceria com a Editora Abril começou em 2011, data em que iniciamos um projeto chamado Walk and Talk, através do qual visitamos 28 países nos 5 continentes, pesquisando o que motiva as pessoas. De lá para cá estudamos, descobrimos e compartilhamos muita coisa sobre esse e outros assuntos relevantes em ressonância com o cenário de mundo atual. Além da Motivação, outro conceito que esteve bastante presente desde o início do nosso projeto foi: Propósito. Afinal, ele é um dos maiores drives não só para a motivação, como para o desenvolvimento de pessoas, marcas e organizações.

Na semana passada entrelaçamos esses dois temas em uma palestra que demos na abertura do 3º Prospera Experience – um grande Fórum em Salvador que teve como core: “Pessoas e Negócios com Propósito, Capitalismo Consciente e Organizações Humanizadas”. 

Ao saber sobre nossa participação no evento, a jornalista Priscila Natividade do Jornal Correio de Salvador nos chamou para uma entrevista. Decidimos compartilhá-la na íntegra aqui no portal, pois aborda temas interessantes, não só sobre nossa pesquisa pelo mundo, como questões sobre “motivação e propósito X carreira e trabalho”. 

O que moveu vocês a saírem pelo mundo em busca do que move, inspira e motiva outras pessoas? 

LUAH: Nós dois tínhamos em nossos planos de vida, fazer uma grande viagem, mas só transformamos esse sonho em um projeto depois de nos conhecermos. Participávamos de simpósios de filosofia semanalmente, mas em dias diferentes. Um belo dia nossas turmas foram unidas e nos conhecemos. Alguns capítulos adiante descobrimos esse sonho comum. Na época eu estava esgotada com o meu trabalho, meu copo estava cheio. Precisava urgentemente me reciclar, arejar, oxigenar. O Danilo, na mesma época, queria se aprofundar na fotografia, arte que sempre fez como hobby mas nunca tinha tempo para se aprofundar. Para ele, nada melhor do que uma longa viagem para montar um bom portfólio, e no meu caso, reconectar corpo, mente e espírito para fazer uma revisão do meu escopo de trabalho.

Os dois estavam preparados para um turning point. Foi aí que descobrimos que mais do que viajar, queríamos nos dedicar a algo novo, algo que nos desse a chance de olharmos o mundo além do olhar como turistas. Decidimos então trazer como objeto central da viagem parte da filosofia que nos uniu.

Em nossas aulas com o professor Viktor D. Salis, grego e exímio estudioso da civilização helênica, éramos sempre instigados sobre a relação entre desenvolvimento de talentos e motivação. As provocações sobre esse tema estavam presentes em todas as aulas. Podemos afirmar que refletir sobre esses ensinamentos foi o  que nos inspirou para virarmos a mesa e escolhermos o tema do projeto Walk and Talk. 

Decidimos desbravar o mundo em busca do que motiva as mais variadas raças, credos, culturas e comprovar  se o desenvolvimento do talento é mesmo uma das grandes chaves para o entusiasmo e a motivação. Saímos do Brasil com essa premissa e de repente nos deparamos com a vida de milhares de pessoas que cruzaram nosso caminho, fomos de encontro ao fantástico mundo daqueles que vivem em culturas totalmente distintas. Muitos nos ensinaram por sua diversidade e nos mostraram outros conceitos de inspiração e propósito, de movimento e paixão. Nossa visão se expandiu, assim como o nosso foco, e passamos a abraçar histórias simples e raras que mudaram nosso ponto de vista em relação à vida e ao mundo. Foi assim que começamos a colecionar depoimentos, vivências, experiências e sentimentos que hoje, mal cabem em nossas mentes e corações.  

O que mais chamou atenção pelos lugares onde passaram sobre o que é capaz de mobilizar alguém? 

LUAH: Cada ser humano tem suas próprias motivações, e elas são uma força intrínsecas ou seja, vem de dentro para fora e não de fora para dentro. Não existe uma fórmula para a motivação. É por isso que costumamos dizer que ninguém motiva ninguém – é você que se coloca em ação, mas podemos sim inspirar o outro ao movimento. E a principal ferramenta que encontramos para inspiração são histórias reais.

As motivações podem ser inúmeras, afinal somos seres diversos. Ao mesmo tempo, nossa pesquisa mostra que não importa qual a classe social, idade, profissão, credo, raça ou gênero, as principais motivações são as mesmas em todo o globo. É muito interessante perceber o quanto essa energia que nos coloca todos os dias em movimento sofre poucas alterações de pessoa para pessoa. Somos mesmo seres “irmanados”, basicamente com as mesmas necessidades e inspirações.

DANILO: Uma das coisas que mais me chamou atenção na viagem, principalmente no oriente, foi a interação com povos que preservam até os dias de hoje uma certa ingenuidade, o que chamaria de uma verdadeira pureza de alma. E explico melhor: tenho a sensação de que no ocidente e nas grandes cidades do mundo, o ser humano se habituou a fazer as coisas esperando algo em troca, tendo sempre algum interesse por trás, com a necessidade de se obter vantagem pela energia, atenção ou tempo despendido para algo. Em contrapartida, em lugares mais remotos no oriente, senti que muita gente interagia conosco da maneira mais despretensiosa possível, compartilhando conosco seu tempo e suas histórias com prazer, com o simples interesse em desfrutar daquele momento e nada mais. Percebi que suas motivações, nesses casos, estavam associadas a questões vivas e presentes dentro de si, às suas necessidades mais legítimas e não a sonhos distantes e complexos. 

Qual a importância de se inspirar e estar motivado, principalmente no que diz respeito à carreira?  

LUAH: Depois de conversar com muita gente pelo mundo, constatamos que ativar nossas habilidades e fazer aquilo que nos apaixona é mesmo um super drive para motivação, tanto na instância profissional como na pessoal.  

Usar nossos talentos e fazer aquilo que amamos nos preenche de uma energia que os gregos antigos batizaram de entusiasmo (En + theos) – quando temos a “luz divina” dentro de nós. E o entusiasmo é um estado de pura motivação! Esse estado, além de beneficiar o próprio indivíduo, beneficia a todos que o circundam. Uma pessoa motivada é melhor colaboradora, melhor líder, melhor prestadora de serviços, é inclusive, um melhor indivíduo para o mundo. 

Seguindo com os ensinamentos gregos, estar no exercício de seus talentos e habilidades inatas era sinônimo de ativar a paixão, em grego; Pathos. Quando o indivíduo perdia sua motivação, ele passava a ser considerado um ser apático – da raiz Apathos, momento em que deveria se recolher, se questionar, se reorganizar até que suas paixões voltassem a acender o seu entusiasmo, ou, sua chama divina. 

Muitos séculos se passaram desde as premissas gregas sobre essa energia que nos coloca em movimento, mas nós humanos seguimos os mesmos, nos alimentando das mesmas fontes de entusiasmo. Sendo assim, fazer aquilo que somos apaixonados em fazer, não importa em que tempo e espaço, é mesmo uma grande fonte de motivação.

Outro ponto que vale comentar: devemos aprender a dar sim para o sim, e não para o não. Nossas escolhas têm impacto real em nossa motivação. Se há uma coisa que nos atrapalha, atrasa e desgasta é dar não para os sins e sim para os nãos. Quando no trabalho ou na vida pessoal, damos um sim para algo já sabendo que não vamos conseguir cumprir, ou seja, fazemos algo para agradar o outro, mas não está em coerência com aquilo que pulsa dentro de nós, com nossos valores e verdades, é um alerta do que pode nos afastar de nossa motivação.  

Quais as principais lições que vocês acolheram na visita aos países por onde o projeto passou?  

LUAH: Uma descoberta maravilhosa que fizemos foi sentir na pele o poder que as histórias reais tem de nos inspirar. A maioria das respostas para a pergunta “o que te motiva?” vieram através das histórias de vida de cada um, essa riqueza de detalhes nos ensinou e nos transformou mais do que se apenas ouvíssemos respostas diretas como “o que me motiva é o trabalho” ou “o que me motiva é a família”. Só como curiosidade, menos de 7% dos entrevistados ao longo desses anos de perguntas e respostas, nos disse que o dinheiro ou os bens materiais são a maior fonte de motivação. Isso talvez mostre uma mudança de paradigma nos dias de hoje. As respostas apontam para outros pilares como: busca de propósito, realizar um sonho, ser melhor amanhã do que hoje, a conexão espiritual, o desenvolvimento pessoal e profissional entre outros. 

Outro aprendizado importante foi perceber que o mundo está de fato se conectando minuto a minuto e que estamos passando por um momento especialíssimo de compartilhamento de idéias, tecnologias, ações e principalmente de experiências de vida. Hoje podemos aprender com a história de alguém que está numa vila do Laos ou numa metrópole da África, com um adolescente da Nova Zelândia ou com uma gostosa avó guatemalteca. Todo mundo tem uma história e todas as histórias são carregadas de ensinamento e inspiração. Todas as ações humanas imbuídas de dignidade e amor podem e devem ser compartilhadas pois aprendemos que tem o poder de  transformar. Com todo esse movimento gracioso e evolutivo, hoje buscamos cada vez mais compartilhar aquilo que é bom, nobre e belo – não importando se ações, pensamentos, histórias reais ou reflexões.

Qual o papel da resiliência para alcançar este propósito e ser feliz na vida e no trabalho? 

DANILO: Resiliência é uma habilidade vital para se alcançar qualquer propósito. Alguns a desenvolvem naturalmente ao longo da vida, através da maneira como aprenderam a encarar desafios e dificuldades, mas também é possível adquirir tal habilidade através de treino, paciência e perseverança. Nenhuma rota é absolutamente linear, ou seja, entre nós e o nosso propósito o caminho muitas vezes é tortuoso, são necessárias muitas tentativas e erros até que alcancemos os resultados desejados. Ainda mais em um mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo – termo derivado do inglês: volatility, uncertainty, complexity and ambiguity) é a resiliência que nos faz transitar de maneira equilibrada, nos mantendo firmes, porém flexíveis, para não rompermos nossas estruturas diante de tantos estímulos e continuarmos seguindo adiante.

Existe segredo para descobrir e desenvolver o seu verdadeiro talento? Qual o caminho? Como a experiência que vocês viveram ajudou a descobrir esta motivação? 

DANILO: As experiências da viagem definitivamente nos ajudaram a ampliar nossa visão de mundo e de nós mesmos. Ao sabermos mais sobre nós, ficamos automaticamente  mais próximos dos nossos talentos. Notamos que para muitos é um processo natural identificar e desenvolver talentos, enquanto para outros isso é um grande enigma. O que precisamos é desmistificar o que é talento, hoje muito relacionado com o que chamamos de dom ou habilidade artística. Mas não é só isso, talento pode estar associado a qualquer área, o que importa é a sensação positiva que a pessoa que desenvolve determinada tarefa tem em realizá-la. Na minha visão os talentos estão onde “enxergamos um infinito de possibilidades e sentimos uma enorme vontade de explorar determinado assunto”.

LUAH: Quando nos permitimos investigar e tocar a nossa essência, conhecer quem somos, descobrir o que dá sentido a nossa existência, sem dúvida estamos abrindo as portas para nossa motivação, felicidade e plenitude. Tenho que parafrasear novamente os gregos, dessa vez na figura do grande Sócrates: “Conheça-te a ti mesmo”. Na minha opinião, esse é um dos segredos mais simples, ao mesmo tempo mais complexos para entrar em comunhão com si mesmo. O autoconhecimento é inclusive, uma das maiores ferramentas para garantir melhores escolhas, melhor planejamento e melhores decisões, tanto para nossa vida pessoal como profissional. 

Qual a dica para vencer os obstáculos dentro do trabalho e da carreira profissional até realmente alcançar aquilo que deseja?

DANILO: O lugar de onde parte a verdadeira motivação para vencermos qualquer obstáculo, dependerá do sentido que aquela tarefa tem para você, e do quanto seu coração se conecta com ela. Não é só a mente que precisa estar convencida, pois não se trata apenas de um exercício mental, precisamos “sentir” a motivação dentro de nós, nos conectarmos a ela para termos resultados concretos. É mais uma questão de percepção do que nos atrai, do que forçar algo que não faz sentido. 

LUAH: Muita gente tem se preocupado por não encontrar o “trabalho dos sonhos”, ou não praticar profissionalmente aquilo que tem paixão em fazer. Muitos em transição de carreira vêm buscando viver daquilo que amam, muitas vezes sem gerar uma sustentabilidade financeira imediata. Enquanto o cenário ideal não desenrola, ou os desafios e obstáculos aparecem, o melhor é buscar exercer suas paixões no seu tempo livre. Isso preenche, ilumina, entusiasma. Com o tempo, aquilo que era um hobby pode virar sua atividade principal, ou até você chegar a conclusão que a área da sua vida que te gera motivação, paixão e entusiasmo não é a mesma de onde vem o seu recurso financeiro. Paixão e vocação não tem necessariamente que andar juntas. O que é muito importante é que o indivíduo tenha um tempo destinado ao exercício da atividade que gera real prazer e motivação. 

Vale lembrar que estamos em um contexto absolutamente novo, onde diversas carreiras estão deixando de existir, enquanto uma infinidade de novas possibilidades vêm aparecendo no front. Então, vale a pena também ficar de olho nas novidades que vem surgindo, pois algo que você nunca havia sonhado em fazer antes, pode ser um grande norte de satisfação e rentabilidade para o futuro. Estar aberto aos novos movimentos também pode ser uma grande chave para alcançar aquilo que se deseja.

 

OBS: As respostas acima foram as que enviamos ao Jornal Correio na íntegra, acrescidas de algumas informações.

Aqui vai um link para a matéria que saiu no Jornal Correio de Salvador, que teve além da versão impressa, a versão online. Nosso muito obrigado a jornalista Priscila Natividade e toda equipe do Correio de Salvador e do Prospera Experience pela ponte!

https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-que-te-inspira-casal-passou-por-28-paises-em-busca-do-que-motiva-pessoas/

Se você gostou dessos assuntos dessa entrevista, indicamos também:

-Propósito e motivação, Como encontrar satisfação no trabalho?

-Você já encontrou o seu propósito?

-O que vale mais: fazer o que ama ou amar o que faz?

Luah Galvão e Danilo España são idealizadores do Walk and Talk.