“Supersalários são um problema econômico, legal e cultural”

Jornalista econômico comenta a desigualdade salarial no funcionalismo público

Um problema econômico, legal, ético e cultural. É assim que o jornalista Carlos Alberto Sardenberg, colaborador do Instituto Millenium, classifica a questão dos supersalários de algumas classes de servidores públicos no Brasil.  Embora o teto constitucional fixe a remuneração em até R$ 33.700, benefícios e privilégios fazem com que funcionários cheguem a receber mais de R$ 100 mil ao mês, além de notícias de vencimentos exorbitantes, que ultrapassam R$ 500 mil mensais.

Para o jornalista econômico, a situação é grave e configura-se como um costume dentro de algumas áreas do funcionalismo público. “Por mais que exista o teto, há uma prática de quebra-galho feita por juízes e procuradores, cuja função é zelar pelo cumprimento da lei”, afirmou Sardenberg, salientando que é inviável medir o impacto econômico desses pagamentos, já que os mesmos são feitos através de folhas paralelas.

Veja mais de Carlos Alberto Sardenberg:
Não há saída sem corte de gastos
Não é obrigatório aumentar despesas
Melhor a reforma do que o colapso 

Atualmente, o orçamento do governo é dividido em dois grandes grupos de despesas. As “discricionárias”, aquelas utilizadas para custeio da máquina e investimentos no país, e as “obrigatórias”, que englobam a previdência e o pagamento de servidores. Esse último segmento, no entanto, é garantido por lei. Portanto, se falta verba nos cofres da união, elas são retiradas do grupo das “discricionárias”, paralisando obras e serviços que seriam importantes para o Brasil. “Como resultado, acabamos tendo um governo que só existe para pagar funcionários e aposentadorias. Temos que fazer leis mudando a previdência e a questão do funcionalismo, folhas de salário e benefícios. Para isso, é necessário passar pelo congresso, que é muito amigo dessas categorias beneficiadas”, completa Sardenberg. Para ele, falta controle, fiscalização e punição para a prática.

Quer saber como você pode fazer a diferença? Acesse a página da cidadania!

Além da diferença nas remunerações em relação aos trabalhadores do setor privado, o jornalista acrescenta que, dentro do setor público, existe uma grande desigualdade salarial, principalmente levando em conta rendimentos dos poderes legislativo e judiciário. “Temos também salários muito baixos, como de policiais, professores e médicos. Vemos que isso não é decidido pelo mérito da função, mas por quem tem mais influência na Câmara e no Senado. A média salarial no funcionalismo público é de R$ 3.500, superior à do setor privado, mas estamos falando de pessoas que recebem mais de R$ 100 mil por mês. Lá na parte de baixo, tem muita gente ganhando mal. É algo injusto socialmente e internamente, que favorece a desigualdade de renda”, finalizou. Ouça!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s